digo e o oposto, constantemente volúvel, às vezes verdade. juro pela minha alma, mais do que vinho amo a água e só me desenseda e lava, a cara, o corpo e a vergonha de ser quem não quero. os sonhos antigos são sonhos e antigos e os novos de esperar, é esta a vida a mim agarrada, se esperança existe.

sexta-feira, julho 27, 2007

Paris Hilton

Se não te posso amar na carne, que te possua em pedra. Nem assim o teu corpo será eterno nem transitoriamente mágico. Ainda que seja pública a tua nudez, nunca será de todos a tua intimidade. O teu corpo alvo, provavelmente, nunca será beijado.

Paris Hilton esculpida - como se a perfeição natural precisasse da arte para ser bela...

Três dimensões

A escultura e a masturbação nascem da imaginação tridimensional.

quinta-feira, julho 26, 2007

Desafio e livros

Veio discretamente um convite ou, talvez, um desafio. Uma só palavra não disse o meu nome, mas indicou-me. Por se ter de partilhar - só por isso -, revelo que a mão que se estendeu apontando na minha direcção foi a da Raquel Alão. Quais os últimos cinco livros que li - perguntou-me ela, solicitando que os revelasse a todos os que por aqui passem. Assim faço:


1 - «Thaumatrope» - Alexandre Sarrazola

2 - «O livro de Hitler» - Henrik Eberle e Mathias Uhl

3 - «Verso de autografia» - Mário de Desariny (entrevista de Miguel Gonçalves Mendes)

4 - «Também usas o meu nome...» - Norbert e Stephan Lebert

5 - «No rasto dos tesouros nazis» - Jean-Paul Picaper

Guerra em pelota

A Guerra dos Boxers foi uma guerra em que os soldados andavam em cuecas?

A janela

A janela tanto é uma ameaça como uma esperança. Depende se serve para entrar ou se para sair.

quarta-feira, julho 25, 2007

Audiência

Julho é uma caravana, ainda que seja Setembro no meio do Verão. Este corredor está vazio e das sete dezenas de mirones restam menos duma vintena. O esquecimento aleija e a solidão nas palavras também. Agora é altura do mar e das cores sobre o azul do mar. Que venha o fim do estio e regressem os nómadas.

Existencialismo

Perder a alma seria perder a eternidade? Perder a cabeça seria um caminho para a eternidade?
- Não e não!

terça-feira, julho 24, 2007

Demora relativa

No sentir, as idas demoram sempre mais tempo do que as voltas. É maior a vontade de conhecer e matar saudades do que a nostalgia do regresso. O institinto de defesa protege-nos.

quarta-feira, julho 18, 2007

quinta-feira, julho 12, 2007

É no Verão

No Verão nada se passa. É no Verão que a vida acontece.

Destino
















Os rios só sabem ir e eu gosto de ficar. Nem todos os rios que interessam estão nas mãos, porque há destinos sem dono.
Os mergulhos deste Verão não têm sabor. Pela frente há o mar, mas falta o brilho da esperança.
Já foste, faz tempo, mas vejo-te ainda o halo e um fantasma de sorriso a desvanecer-se sem nunca partir de vez.
Os minhas mãos não dizem para onde correm. Não vislumbro os teus rios junto a mim. Os meus vão para onde querem e os teus desviaram-se do mar.
Este Verão não tem sabor para ser mar e os meus rios secam-se esperando por ti.


Get this widget Share Track details

quarta-feira, julho 11, 2007

Tourada

É Verão, tempo da festa do sangue. Fecho os olhos à dor, abro os olhos às cores. Acelera ar, acelera ar, suspende o ar, suspende-se, quando vejo o toiro aproximar-se e o cavalo a fugir-lhe à frente. É Verão e, por agora, não quero saber de mais nada do que o odor férreo. É uma loucura esta barbárie. Entro no transe e o toiro corre, o cavalo foge e o cavaleiro chama. O público silencia-se. O director manda e a banda toca. É a loucura, o transe e o sangue.

Ouvir o paso doble España Cani.

terça-feira, julho 10, 2007

Mar, rio e Cíclades

Não tenho muito a dizer sobre o rio sem margens. Afirmo que é vermelho como o mar que Moisés abriu e que sobre a água há um caminho para se fazer a pé.
Diante duma rocha, minúscula ilha, juro um arquipélago. Tudo o mais será água e poeira esculpida. Uma mão cheia a mergulhar no mar de sal e azul.
O mármore liso tem formas do novo tempo. Do tempo de há cinco mil anos. Os olhos circundam o pedaço de rocha e as mãos seguem-nos.
As mãos põem-se nas duas margens do mar e eu penso no rio sem margens. Do rio nada mais tenho a dizer, só que é vermelho como o mar de Moisés. Do mar haveria muito para contar se o soubesse fazer.

segunda-feira, julho 09, 2007

Esquecimento

Não me lembro de ti. Já não reconheço o teu reflexo no espelho quando me assomo. A casa não tem o teu fumo. As janelas que querias sempre abertas levaram todas as memórias. O sono não nos une no além. O que nos liga agora é o espaço vazio deixado na partida. Há toda a distância próxima e não se prediz um retorno. Até as mágoas ficaram no cais de embarque para serem levadas nos passos atrasados.

Passeio dos dias tristes

Um dia destes ainda chove. Um dia destes é Julho em Setembro. Um dia destes sento-me e deixo-me ficar a ver o correr das horas frente ao estuário. Um dia destes enamoro-me pela luz, apenas pela luz... como uma mariposa.
Em frente ao grande portão há um degrau confortável para se observar o ondular das folhas das árvores grandes. Atrás do muro há uma casa com janelas que se abrem para o ar todo. Não imagino o que se passa lá dentro.
As ruas sombrias não se fizeram para passear. Nos dias do tédio volto a casa por elas para ver toda a tristeza que sinto. Um dia destes mudo-me para uma dessas ruas.
A nostalgia é uma poltrona larga onde se afunda o corpo. Uma dor de cabeça. Na volta dos passos sozinhos e calados é numa onde me deixo ficar. Um dia destes sento-me frente ao rio e esqueço de toda a outra vida anterior ao momento. O rio leva tudo.

sexta-feira, julho 06, 2007

Inocência e ousadia

Não sei se é inocência ou ousadia, mas para mim o Sol nasce todos os dias e tenho sempre um cigarro para fumar pela manhã.
Sento-me no degrau da porta do quintal ou encosto-me à ombreira. Fico a ver a sombreira oliveira e os carreiros das formigas. As de cabeça vermelha mordem. Deito fumo pelas narinas.
Não sei se é inocência ou ousadia que me engasgo com o fumo. As manhãs são para ler na sala dos cadeirões de palha. A grande telefonia não toca e aqui não penso em fumar.
Não sei se é inocência ou ousadia o bandear de anca da filha da vizinha. O tempo entre o pescoço e o peito é eternidade de malvadez. Uma planície de desassossego. Funny chamam-lhe.
Funny é o tremor que me dá. Tem menos um ano que eu... ou sabe muito mais ou muito menos. Vem sempre tomar chá com bolachas à hora do lanche. Não tem nada para dizer.
Não tenho nada para lhe dizer. Encosto-me no cadeirão e finjo não notar que as senhoras presentes fingem não reparar nos meus olhos detidos.
Detenho-me por mais um dia. Amanhã haverá novamente Sol e uma manhã para, em paz, fumar o primeiro cigarro do dia.

Rio

Não volto a sair de casa com uma camisa às riscas. O azul aquece e os olhos encandeiam-se com o batimento paralelo das linhas.
É Julho e no Martim Moniz brinca-se com a água. Houvesse decência e alguma dela molhar-me-ia. Até por compaixão. está calor. O colorido mesclado da praça é uma algazarra. Dá-me pena haver motores diesel. E a água que não me chega.
No terraço do hotel não se estaria mal. Não estaria, digo eu que ando cá por baixo encalorado. Não estaria se não perspectivasse o gin tónico na esplanada frente ao rio. Malditas riscas... fazem-me calor. E o rio que não chega. O rio não vem.
O rio está onde quis ir e onde o deixam estar. talvez cinco centenas de metros aqui e três dúzias de quilómetros lá em cima. As margens apertam-no como um colete. Ele é todo azul, sem riscas. É fresco.

Um problema

Como não imagino, calculo.

quarta-feira, julho 04, 2007

Parado junto ao vento

Quando a brisa ou a ventania passa no vale de prédios, passo por ali também. Às vezes passo. Outras paro nos semáforos. Por ali passo sempre a olhar para o alto, para o cimo da escarpa a ver se te vejo:
- Uma luz.
- Um assombro.
- Um aceno.
- Um acaso.
Passo pelo vale e sigo, porque o vento assim mo diz e a ausência mo ordena.
Tenho retratos teus espalhados pela casa. São quadrículas pequenas, pequeno pontos de luz a gerar luz e ventania no espaço fechado duma sala. Não poderia ser melhor o retrato, múltiplo e desarrumador.
Quando passo pelo vale lembro-me de abrir as janelas todas quando chegar a casa e deixar entrar toda a luz que encontrar. A projecção de sombras não é nem dor nem raiva, antes marcador do tempo.
Quando passo pelo vale do vento olho sempre para cima à espera dum aceno, por acaso, ou duma luz que te traga até mim. O vento é só vento e um dia seremos os dois pó.

A cidade do homem

Não há cidades perfeitas, todas têm vida. Algumas, mais vaidosas, espelham-se nas águas dos rios ou dos mares.

terça-feira, julho 03, 2007

Amêijoas à Bulhão Pato

O prato não deve a autoria ao poeta, mas antes ao tasqueiro que lhas dava a comer. O autor de «Flores Agrestes» apreciava tanto as amêijoas da tasca que o cozinheiro as baptizou em sua memória.

Não se trata duma receita difícil nem contém ingredientes raros: amêijoas, azeite e alho. Para quem gostar pode espremer-se um pouco de limão, mas já na mesa. As porproções variam conforme as quantidades, coisa que aqui não vou entrar.

Apesar de estar muito divulgada, esta receita não é uma receita popular. Está escrita. Obedece a uma regra. Porém, esta é dos mais abastardados pratos portugueses. Nele lhe põem vinho, mostarda, margarina. Ainda agora, na última edição da Revista de Vinhos, lá vinham disparates no receituário.

A simplicidade é uma meta difícil de alcançar. A perfeição também. Muitas vezes uma e outra são sinónimos: é o caso das amêijoas à Bulhão Pato.

A praça da casa de Deus

E se a cabeça tivesse desejado uma praça esguia e uma catedral obliqua e mão obedecido, seria, por acaso, Deus menos divino e a pedra menos bela?

Levantamento

A ressureição só acontece para quem não acredita na vida depois da vida e desconhece a essência da alma.

Assinatura

Por maior que seja a dor dos meus olhos, deviá-los seria pior que cobardia. Por maior que seja o meu incómodo nunca será tão forte quanto o dos mártires. O meu nome é pequeno e junto ao teu fica grande. Os meus lábios com os teus falam alto e detêm braços. Forte é o verbo querer.

Alerta dado pela Raquel Alão.

segunda-feira, julho 02, 2007

Desencontro

O Inferno e o Paraíso são estados de consciência e de espírito. Cruzei um e outro, mais o Purgatório e o Limbo a ver se te encontrava. Se nos nos vemos onde não nos podemos esconder é porque estamos destinados à distância.

Tempos

O pesadelo é sempre um tempo presente. O sonho pertence ao futuro.

Feitiço invertido

Quanto mais te desejo mais te perco. O feitiço que te fiz alarga em vez de apertar e os teus olhos choram por mim, não por amor, mas por desespero. Os meus choram por ti, não de alegria, mas por tristeza. Queres enviuvar de mim e eu renascer em ti. Que bem te fiz, mas que me queiras tanto mal?

Movimentos absolutos

Subir sem destino é quase o mesmo que descer sem razão. Subir implica esforço. Descer significa quebra. E não importa qual a direcção. A afirmação é absoluta e rotunda. Estar é uma paz. Deambular, um despropósito. Sento-me a olhar os outros, a ver o que fazem e a tentar decidir-me que movimento fazer. Tudo seria mais fácil se houvesse um objectivo. Não estou, apenas fico... inquieto.

A virgindade

Ninguém é virgem de beijo. Cedo há um um dia em que alguém ensina o prazer de juntar os lábios antes dos largar. Cedo há um dia que se aprende o virtuosismo e o calor. Na carne ou no espírito, não há pudor que guarde a virgindade dos lábios.

A cidade e a luz

A linha do horizonte foi puxada muitas braçadas e o dia está ainda claro. A cidade fica já aqui e diante dela os navios que a esperam antes de partirem e de depois de chegarem. Fico trémulo na água, não sou peixe. Antes fosse amigo das sereias para delas receber beijos. O Sol não vem aquém da linha que os olhos alcançam e não me canso de pedir um céu de estrelas para mais logo. A cidade é luz na luz.

Desejo de tempo

Se o dia tivesse 26 horas faltar-lhe-ia duas horas para a perfeição.

domingo, julho 01, 2007

Fim do mundo

Fome! Miséria! Doença! Guerra! Aquecimento global! A certeza de que o mundo acabará um dia e com ele todas as obras humanas! E tu vens-me dizer que estás preocupada com os pêlos dos gatos e com o seu afiar de garras nos sofás?!

Adopção



















A territorial e outrora conflituosa Granita ficou feliz com a permanência definitiva da mana, acertada há uns dias. A Lioz é que tem estado um pouco ciumenta. Já a Paraquedas mostra-se indiferente e superior como uma princesa.