digo e o oposto, constantemente volúvel, às vezes verdade. juro pela minha alma, mais do que vinho amo a água e só me desenseda e lava, a cara, o corpo e a vergonha de ser quem não quero. os sonhos antigos são sonhos e antigos e os novos de esperar, é esta a vida a mim agarrada, se esperança existe.

quinta-feira, dezembro 31, 2009

Natalidade

Neste pequeno silêncio, neste espaço em que as palavras são apenas pensamento, neste compasso de in-movimento do olhar e serenitude da respiração, nesta vontade de não vontade, há uma mágoa de saudade.
.
A saudade é uma ferida da memória. Na saudade cabem os mimos da mãe, a paciência das avós, os passeios com o pai, o jardim das pirâmides de Faro, o odor do mar na linha do Estoril.
.
É outra vez Natal. Mais um feito de pouca coisa. Não de coisas, mas de qualquer coisa. É nova caminhada no silêncio de ruas vagas, entre caixotes do lixo por vagar os papéis bonitos, os laços e os plásticos.
.
Na manhã de Natal não há ninguém, felizmente. Tenho uma cidade só minha. As minhas dores têm mais espaço para se largarem e algumas, tenho esperança, voem e não voltem, como se fossem rolas.
.
Sempre que se acaba o Natal digo:
- Daqui a nada estamos outra vez no Natal.
E assim é. O Natal não é como o ano novo. O Natal é um tempo velho. O ano novo é um caderno de folhas para escrever. Entre uma e outra data há dias seis dias sem qualquer sentido nem utilidade.
.
Fossem sempre assim os dias: sem sentido nem utilidade. Seriamos todos mais livres.

Letra T


sexta-feira, dezembro 25, 2009

Natal


Se o Natal é quando se quiser, que não seja em Dezembro. Que se adie até ver... Natal feliz é a infância.
.
.
.
Nota: Passo muitas vezes a consoada em casa do Nasser. É bom porque há crianças, mas dentro há aflição. Passo a noite de vinte e cinco em casa do SC. É bom, mas dentro há aflição.

sexta-feira, dezembro 18, 2009

Desapareceram! Eclipsaram-se! E eu f*****

Isto já andava em maré de preguiça, desânimo, insatisfação e desimaginação, mas depois veio um vírus ou um ácaro informático e foi pior. Algo limpou uma data de ficheiros com imagens. Andei três dias à pergunta deles e agora vou arrumando os que consegui encontrar. Assim que possível volto aos textos e posto as letras que faltam.

sexta-feira, dezembro 11, 2009

A persistência da memória














Tenho uma memória curta. Sei disso, porque escrevi para não me esquecer.

Letra Q


Letra P


Letra O


Letra N


Letra M


Letra L


Letra K

quarta-feira, novembro 25, 2009

Confissão audiovisual

Não sei onde escondi os dias felizes, davam-me jeito nestes tempos sem futuro. Existo numa cassete de vê-aga-ésse, perdendo magnetismo e esquecido dos dias além de próximos.
.
Não vou em alta definição. Aliás, na melhor das hipóteses, não tenho nada definido. Haja uma réstia de esperança.
.
O som sarraunde apenas traz as vozes dum passado que não quero ouvir. Mas, não há uma vidente que me bichane o futuro?
.
Além de tudo o mais, a vizinhança estranharia as palavras tão baixas numa casa de televisão com som tão alto. Tantas horas no dia.
.
Os meus dias fazem-se de tê-vê. Directamente apontada à cabeça. Directamente injectada nas veias.
.
As minhas noites são de costas torcidas, de abandono no sofá, para curtir os efeitos do audiovisual que me entorpece.
.
Não leio! Não leio! A pedra dum livro é ligeira e difícil. Mesmo na dureza das palavras, os livros não batem. Só a televisão dá moca.
.
Como qualquer dependente, a droga não me sacia. A televisão não me satisfaz nem chega. Nunca farta, fartando a cada minuto que passa.
.
Espero, a esperança pouca que me resta, a emissão que me dê esperança. Não que me devolva os dias felizes, mas que me dê alguma utilidade aos que tenho pela frente.

Letra B


terça-feira, novembro 24, 2009

Estavas bêbado?





















- Queres ouvir uma muito boa?
- Conta…
- Ele perguntou-me:
- Quando é sábado? Respondi-lhe: - É domingo à noite.
- …
- Não achas o máximo? Domingo à noite… domingo à noite…
- Estavas bêbado?
- Não! Estava a dormir.
.
.
.
Nota: Acordei a rir perdidamente, mas sem perceber a piada.

Letra A


Letra Z


sexta-feira, novembro 20, 2009

Medo












- Tenho medo da morte.
- Não deves ter medo da morte. A morte não existe.
- Mas morremos.
- Morre o corpo. Somos espírito e o espírito é imortal.
- Então tenho medo da imortalidade.

Letra W


quinta-feira, novembro 19, 2009

Dias felizes

A felicidade nos dias tristes. Não deixo de pensar nisso, para que os dias valham as vinte e quatro horas. Parece tão distante quanto o fim do arco-iris. Chamo esperança à vontade de ir vivendo. O dia cinzento se for de tranquilidade será feliz. Mas as insuficiências tremem-me, o medo está e o café não me mantém acordado. Há solidão e tédio. Falta uma vidraça virada para a água. A luz de dentro filtra-se na vegetação, nos ramos dos limoeiros, do jardim. Dentro é ausência de perturbação, só o tique-taque do relógio da sala. Nem o vento de fora faz ruído. Nem a madeira range. Dias felizes?

Letra V


terça-feira, novembro 17, 2009

Marcha

Gostava de ouvir a marcha fúnebre que tencionam tocar no meu funeral, é que depois de morto será mais complicado pronunciar-me e espero partir já a trautear qualquer coisa em memória destes dias.

Estar lá

Às vezes lembro-me de Albufeira e das mães de família de classe média muito entornadas, muito inglesas… dos beijos deles, encontrados à pressa na escuridão ou depois dos escaldões da praia. Eles, os outros, os delas, não viam, fingiam ou não estavam. Tudo o resto sempre lá esteve e está.

Letra T


domingo, novembro 15, 2009

Namoro antigo

Ainda bem que te encontrei. Vamos retomar a conversa onde a deixámos há vinte anos. Está bem. Então, ficas na tua casa ou na minha?

Anonimato

No jardim das margaridas, estás à conversa com o invisível. Vestida como uma criança. Não me reparas, mas digo-te. Sem resposta. Mil passos mais à frente, sentado num banco verde junto ao chafariz, falas-me e não me dizes quem és. Podes ser quem quiseres, acredito. Nas tuas palavras, acredito. Negas-me a identidade. Tenho direito à ilusão de saber o teu nome.

Futuro

O futuro passa por aqui e estou a vê-lo passar.

Quase como Magritte 2





















Harpsichord!

Quase como Magritte 1

Sleeve!

Adolescências


Os concertos são uma adolescência. Felizes na chegada e no fim, com dor pelo meio. Uma memória de prata, um lugar onde não se pode voltar. Uma vida a passar que só deseja o regresso. Nostalgia no presente e no futuro, quando for passado.

98.99.00 Agosto





















Agosto, triste Agosto. Feliz Agosto. O mais triste dos Agostos. Monotonia de Agostos.

Arte no fim do mundo

No fim do mundo vão restar a arte e os momentos sublimes. Seria um desperdício se assim não fosse. Mas e a beleza do efémero, o que se faz com ela?

Tempo de amor

















Os meus namoros duram cada vez mais tempo. O último chegou a uma hora. Este promete durar até ao pôr-do-sol.

Meu amor

Perdoo-te todo o mal que te fiz.

Letra R


Letra Q