quarta-feira, Abril 23, 2014

Não há maçãs no centro do mundo

Uma obsessão é uma dor, um torpor, é a ansiedade do submarinista durante a guerra.
.
Sofreguidão é sorver esparguete, ainda que doa de calor. (Basta!)
.
O que é que há que lembre esses males?
.
Um inverso, a promessa do deleite, do desejo concedido duma sombra numa tarde (de Verão).
.
No Paraíso, pode ser, desde que não sagrado. No centro do mundo.
.
Lá fora pode haver o caos e o desconserto das vidas. Dentro das muralhas do alcazar que se ergueu, por si, para satisfação dos corpos que obedecem às mentes eufóricas de adolescência tudo é paciência e eternidade. Foi por vontade de Deus.
.
O centro do mundo é o que for, de apetites de apetecer, de esconder e mostrar os desejos que os odores e cores não conseguem mentir. Podem as palavras omitir, iludir, distrair, desdizer, a cor dos lábios conta tudo e as mãos tremem, levemente suadas do anseio.
.
O centro do mundo. É um jardim de laranjeiras, onde o aroma dos figos disfarça os das ervas de cheiro, hortelã-pimenta, coentros, cidreira, funcho, manjericão, tomilho, alecrim, esteva, orégãos, carqueja e verdes de fruta rasteira.
.
Dentro de muros, antes de chegar ao centro do mundo passa-se por alfarrobeiras e delas se colhem vagens doces para trincar, mascar, cuspir, rir, sorrir, rir. As últimas vergonhas descansam aqui e ficam até à certeza do abraço satisfeito do final.
.
Depois, figueiras-da-índia e seus frutos difíceis de descascar. Espaço... espaço... espaço... grande, relativo, de chão verde de ervas verdes, passe o pleonasmo. Ciprestes, árvores de eternidade, consolo e lembrança, de calor e pores-do-sol quentes, desimpedidos de nuvens.
.
Que bela será uma ilha com um ou dois ciprestes, vazia de tudo o mais. Essa é lenda. Fica para depois. Se um dia inventar, contarei.
.
Dentro do jardim do centro do mundo, antes do centro do mundo... um quadro de oliveiras espalhadas, centenárias e milenares, retorcidas e com fruto. Não existirá árvore mais nobre. A árvore de Deus.
.
Um jardim árabe – imagino-o assim, nem que seja num sonho, sonhado ao mesmo tempo, por um califa e a odalisca, a que ama e soma todo o harém e que o ama a ele também.
.
No centro do mundo, que é o lugar mais próximo do Paraíso, não há macieiras aborrecidas. Árvores de fruto... uvas? Sim, também as há, mas não é o tempo de as querer (estão doces, como é perfeito o centro do mundo).
.
Os dois caem, ajoelhados, com olhos de ternura e destemor. Vontade maior que a vontade. Tempo de acertar o tempo. Certeza da curiosidade e muito para saber.
.
A brisa sugere melancia, que cria nascentes que beijos tentarão secar. Certo será as correntes de sumo levarem a boca nas enxurradas, entre beijos afogada. Cursos e caminhos regueiros, felizes e ingénuos, desaguando no mesmo mar, interior de água tépida.
.
No centro do mundo, a água corre em ribeiros, caneiros de tijoleira, cruzando a sala sem paredes, arejada toda à volta, como um coreto, e continuando até à queda, que algures será rio. Azulejos, e abstractos de brincar, com as cores.
.
A abóbada azul e ladrilhos brilhantes, asas de borboleta de cerâmica, surgindo e escondendo-se, tons de cores, iludindo os olhos e suspirantes. Música da água e da folhagem.
.
Sem movimento, som ou sombra, um templo grego, redondo, de colunas dóricas maravilha em aparição, o pavilhão árabe, ainda que sagrado, faz-se pagão. Não há culpa que ameace Vénus ou empreguice Príapo. Existem, assim quer o Deus.
.
Mas o resto está como se quer e é. Almofadas, cortinas como fantasmas, véus brancos translúcidos que intermitam as árvores.
.
Molhados pelos rios de melancia, despem-se até que o calor arrefeça. Sem roupa; os pássaros entretidos nos afazeres do pomar e as árvores sendo árvores, sem fugirem e sacrificando-se.
.
A floresta de cultivares mais próxima faz-se de laranjeiras, limoeiros, e loureiros? Palmas, tamareiras e figueiras. Mais umas que não sei.
.
Nua, linda. Beijando de viva carne.
.
Numa luta. Onde as mãos oram.
.
A boca delicia-se no sexo e o sexo deliciado pede à boca que delicie o outro sexo.
.
O yin e yang do pensamento feito droga, é a hesitação do já e do já agora e do espera um pouco e do faz tudo ao mesmo tempo e repete e continua. Respira, continua. Ou da vez única.
.
Indo atrás: Entrar... suavidade. Calor e segredo, abraço aprofundante. Abraço de ficar, beijo de alívio. Volta-se ao mesmo. Volta-se ao mesmo. Mesmo que o mesmo seja um único.
.
O rosa encarniça-se e dilui-se como o sumo da melancia. Não há boca que não queira refrescar-se nos suores do prazer da mulher. Não está mais o que antes, mas mais bonito, amado e saciante.
.
E voltam-se as vontades. Voltam-se os corpos. Voltando-se e conhecendo-se, desejando o fim e querendo que seja longe. Esta vez como a anterior e a antes dessa e a antes dessa e se a houve a antes dessa e todas as que se desejaram e por alguma razão se guardaram ou adiaram. Ou que seja só uma.
.
No final... limonada ou chá de erva-luísa frio... que se guarde o espumante a refrescar, para que a refeição comida à romana, na noite de cansar os corpos e aliviar as almas, seja toda riso. Falar e não falar, em silêncios que dizem e vozes de nada.
.
Cansaço de bem, de pensamento branco, sem amanhã nem ontem. Estar e vagarosamente beijar. Se a sensualidade deixar, o Paraíso acolhe por mais. Se a vontade não se fartar.
.
Todas as juras são mentiras, rebuçados. Dão-se e desfazem-se, ficam-se na memória. Fotografia de alma. O que se diz na cama fica na cama, e as juras são mentiras e os poemas de leito também. O que se diz à mesa é verdade.
.
O tempo que o tempo tem e o prazer dos corpos invisíveis ficam guardados até que desbotem. Mesmo que lembrados, retoquem ou repitam.
.
Invisíveis saem do centro do mundo. Rumores, os pomares guardam segredos, escondem os açúcares sensuais no doce da fruta. Os pássaros só cantam amor, ninguém os leva a sério.
.
video

sexta-feira, Abril 18, 2014

Numa noite normal

Como posso dizer a um morto que está morto se também estou.
.
Jantar à luz de círios, monólogos curtos e parcos.
.
A colher toca na faca quando ia pra encetar a sopa. Sopa de abóbora.
.
Acho que é de Bucelas.
.
O tinto faz figura de corpo-presente.
.
O copo da água é de vidro martelado e o guardanapo bem passado estava à maneira portuguesa antes de o pôr no colo.
.
Está mogno. Não há conversa.
.
Não faz sentido jantar sem velas. Círios são para mortos.
.
Uma alegria seria ridícula.
.
Que se festeja?
.
Um funeral sem defunto.
.
Entorno uma pinga de vinho na toalha branca.
.
Felizmente ninguém diz: sinal de alegria.
.
Não há pior do que o enfado do que o enfado genuinamente enfadonho.
.
Que alegria seria essa? Apressar a lavagem da toalha? No dia seguinte, sem convidados servirá bem. Nas refeições seguintes também.
.
É admirável a tristeza como a dum jantar à mesa com um morto sem cadáver.
.
A sopa, já disse, é de abóbora.
.
Penso: se houvesse peixe, seria pargo. Assado no forno.
.
A carne e a Páscoa. Não sei como sobrevivi. Nessas décadas cumpriam-se os preceitos e não comia peixe. Conheço-lhe alguns cheiros.
.
Penso na palavra paixão. Coisa estúpida!
.
Por que nos alegramos com a dor?
.
Ou que chamamos dor a coisa boa?
.
Borrego assado com batatinhas, cebolinhas e cenouras.
.
Cai mais um pingo na toalha e ninguém mostra ter reparado.
.
Foi de tinto, mas podia ser o que se quisesse, tão benfeitinho que está.
.
Benfeitinho é normal. É bom ser normal? E se o ser normal, que é bom, for uma porcaria?
.
Tive uma faísca de inteligência. Uma fuga da sacristia onde janto.
.
Como se consegue ser tão estúpido para jogar pokker com gajos de chapéu e óculos escuros.
.
Nunca jogaria pokker com escumalha.
.
Há quem veja disso na TV.
.
Aliviou-se-me a tensão. Há gente mais estúpida do que eu.
.
Volta a luz de círios e caiu uma gota de tinto na água. Não quero saber.
.
Nem vinho. Nem mulher. Nem amigos. Nem companhia. Nem ninguém.
.
Jantar à luz de círios. Alguém morreu?
.
Todos e jantamos sem cadáver à mesa.
.
.
.
Nota: A V, P e I.

Nas tintas, ainda

Quando tomo banho, arrumo as ideias. Desarrumo-as quando enquanto faço. Esqueço e vou tendo ideias.

Nas tintas

























O meu pensamento rectilíneo não vai recto como não vai nenhuma recta. Nem decidido quanto uma mulher quando muda de penteado. Não vejo o mundo com outros olhos, porque não posso ter outros olhos. Se me apetecer nem abro os olhos. Ou desfoco-os. Ando aos ésses. Vou a olhar para baixo, com um espelho virado pra cima pra ver o tecto. Vou de encontro às coisas. Se não houver tecto vejo o céu. Se cair é o meu destino. Não quero saber. Mas chateia-me que me chateiem.

As crianças


















Se no mundo mandassem as crianças, o mundo seria muito mais violento. Mais poético.

Tar nas tintas


Não me estou nas tintas quanto ao estar nas tintas.

Por tudo

Por um artista colocada, não deitada, num divã. A luz que se aquece nos tons do recolher dos pássaros.
.
A três quartos sentado. Tapavas as vergonhas, deixando um seio de fora. Querendo ter certezas:
.
– A tua nudez. Brincando-me, fingindo-te distraída, nuvem de passar sem mostrar o que.
.
Querendo ver-te plena sem sair do encosto e acreditando no chega para lá. Uma esperança de vem cá.
.
As mulheres brincam melhor.
.
No último instante de branco na luz, destapas-te e.
.
A luz resplandecente das aparições das alturas das divindades celestes. Tudo o que um adolescente quer ver.
.
Em mim a vontade de partir e estar em simultâneo
.
Em ti a felinitude das mulheres.
.
O pé afasta.
.
O joelho encolhe, a boca ganha um palmo.
.
O pé tranca, a boca beija.
.
As pernas abrem-se, e o peito levanta-se.
.
Como resistir? Quente e macio, onde a boca se sacia na pureza do branco.
.
Um saciar que só o branco quente e macio do pão acabado de sair do forno.
.
O peito da ternura diabólica, que acolhe tudo. Tudo.
.
Parto para baixo, onde se morre tantas vezes.
.
As mãos, as costas. A voz. A palavra imperceptível.
.
Uma luta, em que a dor é prazer.
.
Num golpe estou sentado.
.
Abusas de mim. Abusas de mim. Abusas de mim.
.
Abusas de mim e deixas-me morrer em ti.
.
Acreditando que morri morrendo contigo.
.
Abusas mais um pouco de mim.
.
Os suores, os odores, os beijos, que se querem, que se recusam, que se impõem.
.
Tudo. Tudo..
.
Por tudo voltava àquele instante em que te olhava colocada num divã.

quinta-feira, Abril 17, 2014

A loucura e a alma

A alma











.
A loucura

Sujei a gravata

Será que os tecnocratas, que são os doutores de manga-de-alpaca, conhecem o nome das árvores ou comeram morangos na sua época ou que há muito tempo se escrevia em gótico?
.
Qual será o cheiro do Excel e do Pdf?
.
Ignorante de dois mundos, aborrecem-me os sisos, e apetece-me sempre que aconteça uma maldade.

Momento contra talento

























Só as catástrofes tornam os políticos em históricos. Os artistas têm o poder de mesmo fazendo merda de se tornarem importantes.
.
.
.
Nota: Aplica-se a todo a aquele que... e justiça dá memória aos performativos.

Mundo

Tenho pés muito grandes. Tenho pouco mundo para andar.

domingo, Abril 06, 2014

À sombra da Árvore da Ciência do Bem e do Mal

Estou no meu segundo luto, e segundo homicídio.
.
Deitado, lado a lado, aguentei o odor das flores quando os dias lhe tolheram os encantos; vivia num jazigo.
.
A primeira pessoa que matei...
.
Sem mentir ou disfarçar, não sei se matei...
.
Não sei se me posso designar por psicopata, mas não me lembro de nada.
.
Entre a hora e a noite do crime e o momento em que o coração recebe o embate final.
.
Lembro-me de muita coisa, mas não de armas brancas, de fogo ou venenos. Nem verbal.
.
Uma multidão, de duas ou três personagens, apontou-me a culpa.
.
Nunca disse que era inimputável, mas daí a homicida... e naquele caso em concreto... por que não.
.
Não! Revistos os papéis e as palavras. Não matei!
.
E se tivesse morto? E se matei?
.
A ignorância magoa muito. Provavelmente mais do que os tabefes que os polícias dão aos meliantes e que, apesar de caçados, voltam imunes para a rua, porque as celas estão cheias, porque há demasiados julgamentos, porque os advogados não sei o quê, e porque uma organização dos bonzinhos interveio em nome dos direitos da canalha contra o socialmente favorecido que estava num lugar errado.
.
A polícia não me interrogou. Nem me bateu, limitou-se a fazer-me penar com o silêncio e a ignorância da acusação.
.
Julgado e sentenciado por um colectivo de juízes dissonante.
.
Sentenciado por um júri volátil, oscilante entre o que não sabe e o que desconhece.
.
Nas alegações, os autores da queixa, a mulher em lágrimas e o defunto que não me olhava, até me acusaram de ser bipolar.
.
Ora eu que tomo comprimidos para rir... para que possa enganar o mundo.
.
Transtorno dissociativo de identidade, queriam dizer a vítima e sua partenere. É normal, é um distúrbio tão raro que quase só acontece na literatura.
.
Tanto faz! Trata-se de caso de loucura e aos loucos não se dá conversa.
.
A justiça fez-se. Uma voz solene leu uma data de palavras, que eu, mesmo licenciado, não entendi.
.
Observando as regras solenes da etiqueta jurídica, lembrada suavemente por estreito esgar do advogado, fiquei de pé a ouvir uma novela aborrecida e mal escrita, cujo interesse se limitou às últimas palavras.
.
Eu, em pé, sob o olhar, entre o confiante e o desesperado do meu advogado, e o alheamento, fugidio de expressões dos autores...
.
Sendo o homicídio um crime público, lá no cimo do estrado, que existe para dar maior importância a alguém que se veste com uma bata preta, estava uma pessoa, não sei se homem ou se mulher, a olhar para mim, com o mesmo interesse que se finge quando se visita o estábulo de vacas leiteiras.
.
A memória é selectiva e, embora me dissesse respeito, sentia, ainda antes do festival de argumentações, uma sentença para um acto que...
.
Três juízes disseram: Culpado e com pena efectiva, inocente e em liberdade condicionada (leia-se magoada), e culpado com pena suspensa, não se dê o caso de não ter culpa alguma.
.
Como a dor era muita e sempre quis saber a verdade, insisti na tentativa de conversar com o defunto.
.
Guardei-me num jazigo à espera que passasse ou entrasse. Infantilidades de optimismos...
.
Aguentei-me, enjoado com o odor das flores em agonia.
.
E se entrasse, nem que por engano, o que lhe diria?
.
Estás bom?
.
Matei-te?
.
Não sabendo, assumindo o mais puro sentimento da verdade, não estive amnésico.
.
Julguei ter sido alvo duma bala de cicuta certeira na têmpora. Nesse caso, do que constaria do diploma de óbito? Pensarei noutro dia.
.
A espera, nesse que seria o meu primeiro jazigo, o cheiro das flores tornou-se em vómito e o tempo tira vida a tudo, até à paciência.
.
Já deslembrado do que nunca soube, continuei. Uma normalidade que só os tolos pensam ser de grande aventura e maluquice. Pequenas extravagâncias entre amigos que partilharam quartos
.
Ah! Mas não sou santo! Tenho em mim um vórtice que me puxa. Não inocentemente, pois tenho a vontade de nele cair, viajando como Alice. Parece-me, pelo que leio e julgo entender, que a dietilamida do ácido lisérgico tem efeitos que podem ser idênticos ou comparáveis.
.
Esse vórtice, chupa-cores helicoidal, que me fala e chama, teria de vencer, nem que fosse por uma vez, a lógica do afecto, que, como o das mães, se confia e acredita ser eterno.
.
Se nesse primeiro crime deitei-me num jazigo – com as flores que acabaram por apodrecer, esperando que o féretro se juntasse naquele leito de mármore, que tem, à entrada, do lado de fora, uma locução de pesar em latim e que acompanha banalmente a aldeia das casinhas para cadáveres – agora embosquei-me na tristeza da culpa.
.
Desta vez houve crime verdadeiro, com as minhas mãos transformadas em boca, que estrangularam pedindo ajuda – um pouco como fazem os náufragos àqueles que os vão salvar, desconhecendo as artimanhas da morte, que com amonas e abraços estrangulantes matam por afogamento os salvadores. Assim fiz, com esperança nas palavras.
.
O flúor e o iodo fazem bem à saúde, mas são venenos.
.
(É neste ponto que todos aqueles que, vendo o corpo jazente da vítima e o meu semblante tardio, me podem, ou devem, apelidar de manipulador – seja para cima ou para baixo – pois o elevador faz os dois caminhos, com o mesmo ranger de metal, o que assusta algumas pessoas).
.
Digo tardio, porque o que penso agora tivera tido outra compreensão a quando da sentença, ainda antes de decidida e proferida.
.
Dizia: não fugi e entreguei-me, ainda o corpo fumegava de dor – embora no singular, deve ler-se no plural.
.
Ostracizado, foi esse o castigo...
.
Voltei a escolher passar a pena num jazigo, sendo este maior. Não por acaso ou bondade para com o condenado, mas para que coubessem mais flores e assim me enjoasse mais facilmente.
.
Desta vez, o defunto apresentou-se. Ficando em ausência, para que a minha dor fosse aguda e grave, gritando, figuradamente, como um órgão de igreja barroca, fustigando os ouvidos de qualquer pessoa dotada de bom senso auditivo.
.
Eu e a vítima, separados por um muro de flores a impossibilitar o vislumbre e filtrando o som que uma boca (a minha) pudesse proferir.
.
Exagero: na verdade, o jazigo partilhado com as flores mórbidas e a vítima basta em espaço.
.
Interrogo-me, agora marginalmente, onde estão ou estavam os cadáveres proprietários dos jazigos. As flores garantem a existência do convívio doloroso que une partintes e ficantes... Mais tarde pensarei nisso.
.
Não falo ao meu homicidiado, porque não me ouve. Quero dizer, não me quer ouvir. Ainda tentei, mas não se arromba uma amizade.
.
Não diz nada, mas tenho a certeza que me ouve. Noto um certo remexer da folhagem das coroas ou das pétalas violáceas lá no outro lado da casa.
.
E se falássemos, falaríamos do quê?
.
Do frio que faz dentro da casa de pedra? Penso que é de mármore... ou do odor enjoativo das flores?
.
Do tempo que está lá fora? Chove? Faz frio? Esta semana viu-se pouca gente...
.
Falaríamos do homicídio? Disso não, porque foi com palavras que lhe estrangulei a réstia de paciência.
.
Pensando... terei matado alguém vivo num ápice ou terei apenas posto demasiadas gotas de tóxico no chá?!
.
Li nos jornais que um bandido anda à solta. Começa por impacientar e acaba estrangulando, com manipulações de sentimentos.
.
Ingenuamente sei que sou eu. Louco, não paranóico. Ainda assim espero o momento duma acusação nesse âmbito.
.
Manchete em vários jornais: Investigações recentes apontam-me como provável serialquiler.
.
As palavras matam e falo demasiado.
.
As amizades são para a vida! Ok! Quanto dura uma vida?
.
Pelo princípio: o que é a vida? E pressupõe reciprocidade ou Deus criou o universo com um só sentido de marcha, estando a faixa do lado com vedame mais à frente.
.
Num outro princípio, mas mais avançado... será o jardim de Deus, um labirinto de sebes, que, ao desvendar-se, como um delta de rio, se transforma em largo prado, com todas as flores em bosquetes, e pomar de todas as árvores de fruta, podendo comer-se de todas elas, incluindo as da Árvore da Ciência do Bem e do Mal?
.
Porém, ao contrário do primeiro crime, que alegadamente terei cometido, esta sentença perdeu a vida.
.
A sentença morreu. Como tudo na vida. Mentira!... ou quase verdade, em inocência... transfigurada pela metamorfose. Esgotada transformou-se no martírio do açoite.
.
Como dói a dor que se dá injusta. Como tudo na vida, há um fim.
.
Sem clemência nem apelo, a fustigação fez-se normalidade, daí resultando uma indiferença.
.
Tanto faz que tenha morto alguém. Tudo na vida morre. Se morrem os corpos dos amigos, jazem também os sentimentos que se prendem às almas?
.
Vive quem quer e sobrevive quem pode. E o mesmo dito colocando os verbos querer e poder.
.
Tenho as contas saldadas. Os mortos não me matam. Os vivos, os que ainda, com adaga segurada entre dentes ou drone para balear à distância, o podem fazer... fazem-se de moribundos.
.
Como as fieis beatas, que com a boca e coração maldizem para se arrependerem, sem arrependimento, ao cura, recebendo um perdão, graça e hóstia. Pobres homens, o que têm de ouvir e aturar.
.
Estamos na Páscoa e sempre comi carne. Antes, durante e depois. Fui malcriado. Esta é característica que, em estudo aprofundado, pode levar a obter conclusões interessantes acerca da minha tendência homicida.
.
Tenho a dizer, sem cinismo... acredite quem quiser: Quem teme o estrangulador de afectos que durma descansado, tal a fraqueza.
.
Ceder à dor da fustigação, a que me prestam em atenção, seria outro massacre de cinto e fivela.
.
Não fico mais num jazigo e deixo as flores defuntas para quem, embora morto, queira continuar sem vida.
.
Se os amigos morrem?
.
Morrem. Fica viva a amizade.
.
Os amigos morrem?
.
Uma construção de passados e gratidões, memórias, tristezas e alegrias.
.
Matam-se os amigos. Levados para campa rasa, forno ou jazigo, terão consigo sentimentos provenientes das alegrias. As tristezas esquecem-se, ainda que na dificuldade houvesse alguém, mais sóbrio e momentaneamente enrijecido, lutasse para que o bom pudesse amparar...
.
Coisas que não se fazer por «gosto», mas por amor. dois.
.
Lutasse, pensando, de antemão, no momento do beijo da traição. Afecto cínico, como quem cria galinhas em capoeira, que mantenha ânimo às suas futuras vítimas.
.
A verdade é maior do que a vida e nada supera o amor, assim quis Deus. Assim penso. Mesmo crendo por lógica e não por fé, reconheço-lhe infinitas bondade e inteligência.
.
Quando penso predisposição de me açoitarem, castigando-me navalhados mortalmente e ainda vivendo, morro um pouco, confesso.
.
Morro pelo engano. Pela traição, tirada emprestada à minha vítima homicidiada.
.
Compreendo. A verdade é maior do que a vida e que esta se faz de memórias. Mesmo não querendo, negando em juras, há afectos maiores do que outros.
.
Que seja o sangue ou o partido a tomar a parte. Que não tome o rancor e a justiça que não lhe compete.
.
Que saibam que em cada vida só se morre uma vez. Quem quiser a minha bala de cicuta que se coloque defronte ao gatilho e espere... Nunca se sabe se o dedo se cansa e o único projéctil, em sorte de roleta russa, se liberte.
.
Se assim, espero ter saudades da caixa de pedra, onde só se conversa com o vazio.
.
Não peço dores emprestadas, nem as ofereço em demérito. Ainda que queiram que o faça... e se mo fizerem, não darei o desgosto do rancor.
.
Os amigos são um exército pequenino, talvez menos do que um pelotão. Há os que vão e vêm, os que ficam (por qualquer razão), os que nunca foram (sem razão), os que zarpam, e os mais tristes, que saem fechando a porta aos amigos, com as chaves do lado de dentro e ouvidos surtos a chamamentos.
.
A esses desejo que nunca seja noite e que dentro do santuário que encontrem haja do que comer e matar a sede.
.
E palavras de encontro, boas ou más, mas que reconciliem quem nunca devia ter sido apartado, tendo ido ou ficado.
.
Digo isto tardio, evitando desilusão. Quero compreender o homem, que me perdoe e lhe dê graças por, vindo a mim, mesmo sem que os lábios se mexam, diga uma palavra de consolo e reconhecimento.
.
Não é pôr em altar de santo. É pedido. Nem mesmo peço para mim desculpa por mágoas que esqueci ou faço por isso. O mesmo no caminho para lá.
.
Terei morto dois amigos. Um na inocência e outro num desastre.
.
Um, que não me lembro do crime, terei de esperar pelo momento em que nos encontremos no jardim das sebes e uma força, de luz ou vento ou água ou fogo ou quinto elemento, nos faça falar. Ajustando contas malfeitas.
.
O segundo tem a porta aberta, ainda que saiba que jamais a vá querer passar.
.
Que nas suas intimidades se queixe do mal que lhe fiz, enquanto murmura etilizado o meu perdão.
.
O orgulho calá-lo-á para sempre, ainda que as floristas tenham muitas cores e cheiros, e das suas lojas partam banais rosas encarnadas, assustadoras rosas amarelas, principescas margaridas, arranjos simples, acabamentos comuns e desejos especiais. Nas floristas há muito mais, e as ramagens não se aparam com gadanhas.
.
Quem me aponta o dedo... não matarei, pois a dor tomada de empréstimo é roubo. Roubar é muito feio e poucos são os que confessam e devolvem. Nunca roubei! Levei, em nome duma festa, uma garrafa de vinho rasca e porque insistiram que tinha ar de menino de coro, que não acende um círio sem que o prior dê licença.
.
Se matarei mais alguém?
.
Não sei. Entre mim e mim existe tempo e outras coisas que não se perdoam.
.
Se matarei mais alguém?
.
Amigos há poucos...
.
Se matarei mais alguém?
.
A resposta honesta é dolorosa.
.
Não quero acerto de contas, nem caubois de revólveres nas mãos, um com balas de arsénio e outro de cianeto.
.
A vida é mais do que isso.
.
Há uma estrada de ir e outra.
.
Há o jardim das sebes e das certezas, muito espaço para conversar.
.
Se matarei mais alguém?
.
Uma memória próxima quase respondeu...
.
Não matarás, mas se o fizeres, faz com que todos chorem também a tua desgraça.
.
Que os amigos partilhem, ainda que na dor escusada e desastrada, um sentimento. Como antes fora a felicidade.
.
O tempo tira vida a tudo, até à paciência.
.
O mar reclama o que é seu.
.
Sobre tudo, o jardim de todas as benfeitorias.
.
Se por acaso, sejas tu o primeiro falecido ou o segundo mandado, não morreste matado por mim...
.
Se por acaso não o podes confessar.
.
Com dor e sem rancor, angustiado e triste.
.
Uma maré trará o momento.
.
As sebes abrem-se como os deltas dos rios e o pomar alarga-se como os estuários.
.
Sob a árvore do conhecimento, comendo do querer, a verdade irá juntar quem na Terra disparatou.
.
Sem verdade não há...
.
Não prometo não voltar a matar.
.
.
.
Nota: a LM, SA, VR, IQ e PR.

sábado, Abril 05, 2014