quarta-feira, setembro 28, 2016

Inglória

.
Importa a herança, a tristeza agarrada à memória e também os remorsos de anos de cobardia e imponderada valentia. De tudo se tira vergonha na falta de glória. Em silêncio se acalmam as vinganças e no escuro se murmuram as incompreensões. Num sarcófago de granito, onde a luz não pode chegar, resta a esperança por uma esperança e se faltar nasce abandono.

A dor de Deus

.
As aves não cantam em Treblinka.
.
Também chove em Auschwitz-Birkenau.
.
Em Chelmno a vida não era a preto e branco.
.
A memória de Sobibor gera pesadelos.
.
O odor de Belzec é irreproduzível.
.
Os setenta e dois ainda arrepiam. Como se fossem iguais.
.
A minha dor é maior do que a tua.
.
A tua dor é maior do que a minha.
.
Se o Diabo existisse e a morte não se abrisse novamente à vida.
.
Se só tivesse sido loucura a consciência não pesava na alma.
.
Nada se apaga, mas venha o perdão – sabe Deus.
.
As aves não cantam em Berghof.

domingo, setembro 25, 2016

Carbúnculo – ai lâve íu beibi

video
.
O meu coração é de esferovite, maltratado de injustiça clama em odor as queimaduras que incompreende, responde a essência da dor, a toxicidade devida às chamas do padecimento, e inevitavelmente contorcendo-se.

Glória

.
De morte vou nos dias, sou a sombra e a sombra sobre mim se debruça e a sombra a mim se agarra.
.
As ruas e os lares são fora, vivo numa esfera translúcida donde toda a vista se deforma e o som se imprecisa.
.
Anseio uma loucura menos nítida para que passei a nudez e diga alto palavras sonâmbulas.
.
Se ao menos tivesse coragem para rir até me tomarem por tolo, os que não sabem e os que deixam e os incertos.
.
De tudo se pode vergonha e glória.
.
.
.
Nota: Não consegui apurar a autoria do desenho. Quem o souber, por favor, informe-me, de modo a poder atribuir os créditos de autoria.

sábado, setembro 24, 2016

Névoas

.
Há a lei e a transgressão. A vida é juízo e riso. Pouco será tão arrogante quanto dizer que de nada se arrepende.
.
É-se velho no inevitável lamento mas cego ao espelho, certo de que nenhuma nos faltará, sobretudo com um roadster descapotável.
.
Quando se vai a um armazém de tristezas e negações e se paga para dançarem nuas no colo, roçando os mamilos nos lábios, largando perfume barato e pó-de-talco, para mal disfarçar esperando ciúme, que provavelmente não acontecerá.
.
Quando se vai às putas.
.
É-se velho quando a geração é gorda, sofre de cancro, deixa de fumar e se casa pela segunda vez, porque só ouvem as canções dos dezasseis anos ou as que eram pirosas, paralisados diante do ecrã do computador em Error 404, e as fotografias antigas não fazem sentido e nem se reconhece.
.
Falta o tempo da esperança, muito mais do que os cabelos esbranquiçando-se. Quando se esquece a jura de que a verruga é perfeição adormecida.
.
Quando já não se sabe se sabe e nem a incerteza é certa.
.
Quando dizemos que antigamente é que era bom, a música agora não presta, os jovens não se sabem vestir nem pentear.
.
Quando a escola não ensina e os miúdos saem sem saberem coisa alguma.
.
É-se velho quando se vive, acordado e dormindo, a derrota e sonhando se faz da vingança a justiça, na felicidade de fim de livro, realizado e reconhecido.
.
Quando nada se diz para nada ouvir.
.
Quando se diz que velhos são os trapos.
.
Quando se diz que não se caminha para novo.
.
Quando nega ser o que se garantiu nunca estar.

Podia ser Lisboa

.
Seria feliz numa cidade com um rio igual ao Tejo e a luz de Lisboa, onde o tudo-à-volta abraçasse e não estrangulasse e todos fossemos anormais, rompendo a tristeza.

sexta-feira, setembro 23, 2016

Tanto

.
Digo alegrias nos dias em que morro, sabendo que a luz será banal. A dor é mar que não devolve.
.
Fogem enjoados, só pressentindo o negrume, pois o negrum sabe quem vive morrendo. Ninguém quer saber e só uma ferida.
.
Sei da impossibilidade da morte, porque morrendo sou em desejo de inexistência.
.
Esquecido por esquecido, se inexistente, basto numa palavra e vão contentes.

Outono de Verão

.
Clara de sorriso-espírito numa noite despida em silêncio e silenciando no lume dos lábios cuja luz esclarece, porque mariposa é presa.

Xenofografia e Xenofonia

.
Vêm imigradas para o trabalho e indígenas morrem de involuntário suicídio. As palavras não se sabem defender. Quantas não feneceram por esquecimento. Não há cemitério onde se velem e chorem, perecem indigentes. Poucas velhas das aldeias lembrando falecidas e doentes. Engravido-me na esperança narcísica de que alguma perdure.

quinta-feira, setembro 22, 2016

Hamlet

.
Azul não é triste nem. Azul não é estado. Azul não é cor. Azul define o belo. Outra palavra precisa de invenção que encha o vazio deixado da iluminação.

A ilusão de Fibonacci

.
Desdizer o dia não o extingue e nem por isso existe, igual no sonho, seja assalto ou ambrósia.
.
Nadando mariposa e respirar água, elemento diferente do espírito do Capricórnio, correndo risco no maior espectáculo do mundo, é um resumo possível da vida.
.
Só no conceito a matemática é bela e por isso a arte.
.
Parei por fora e dentro inquieto e disse, não sei se no ar ou solidão, que:
.
– O quadrado da hipotenusa é igual à soma dos quadrados dos catetos.
.
Verdade no universo como a água e a sombra.
.
Deus não precisa da matemática como não precisamos de religião e se – creio na lógica – sei porque o instinto me diz:
.
– Os quasares são de diferente matéria do espírito da proporção-áurea.
.
A verdade é dez multiplicado por um vírgula seiscentos e dezoito ser dezasseis vírgula dezoito. O engano é a hipnose da proporção do Pártenon.
.
Contudo, o Teorema de Pitágoras é as duas.
.
Assim se vai e é na espiral.

Estorninho

video
.
É luz como chuva de lâminas, uma melancolia de gaivotas sobre a multidão de peixes, a restante ao pôr-do-sol, da verdadeira água, tão firme que os estorninhos se descansam prematuramente.
.
Porque tudo se resume a pouco que digo quase nada ao falar e verdadeiramente tudo se condensa no tudo.
.
Préstimo abençoasse ou a clareza do esconderijo revelado e seria quem desejo e se, porque o se é quase nada e quase tudo.
.
Se fugisse no Campo de Estrelas e ingenuamente acreditasse que as léguas regeneram a índole e o suor lava a consciência.
.
Seriam mais palavras depois do dicionário e sem definirem a vaquietude.
.
Peregrino indo a Roma, palmeiro querendo Santiago e romeiro ansioso de Jerusalém.
.
O destino não existe e dele não se foge e se fosse quem desejo e por isso elogiado.
.
O destino é lugar e tempo para onde e daí se.
.
Quando me perguntam respondo seja qualquer coisa. E se? Ainda.
.
A minha vida é a trimetazidina no meu nariz.
.
É o meu destino e por isso não existo. E voando vago.

Amarelo à bolonhesa

.
No dia em que a humanidade se complete no desacerto da unidade das bombas terei um garfo na mão e uma frustração sem tempo.

sexta-feira, setembro 16, 2016

terça-feira, setembro 13, 2016

Um outro lugar

.
Demasiado açúcar nas veias e tanta amargura. Como se o azul prussiano existisse para fazer verdes. Suspenso pela melancolia esperando a esperança, vivo entre unicórnios e urtigas.

Mãe

.
Do movimento de translação se acrescentam de preto e branco, a melancolia da chuva e silêncio, uma memória vaga doutra vida e enregelado por isso e do dia.
.
Os lobisomens não despertam nos luares negros, quando tudo pára para que possa ser dia como os outros.
.
Essa escuridão e a luz da mãe, seu amor quase canino.
.
As horas paradas da mãe serão instante. Virão mais cinzentas e o Sol enfeitiçando os meus olhos, como se fosse meu.
.
Pudera roubar o tempo ao relógio e a Deus a lembrança.

Ovo

.
A mãe é dia que não passa, até nos fazer falta.

segunda-feira, setembro 12, 2016

Quando o trabalho não apetece


Descompreensões

.
Quarenta e seis anos desanalfabetisando-me e não entendo as coisas.
.
Garganto-me, esboço de certeza em contradição do que sou e estou, reflexo dos espelhos que me apontam, o único brilho, incinerando-me.
.
Falares que riscos apagam sem resistência.
.
Em permanente contramão viajando na velocidade de espiral de matéria-negra. Sem travões e a crença-vontade infantil de que chegarei salvo.
.
Criança insistente mas batida de passado e consciência, ruído de incompreensão e injustiça – talvez verdades.

Rios

.
Às escuras se chora, sabemos, e à chuva também se secam as lágrimas.
.
O resto são sobras, feitas de horas, feitas de dias.
.
Fora da casa fechado sob o tecto de céu, mistérios de partida e chegada.
.
O claustro vazio. Nem arrepio, sem consolo. Só a chuva, não sei se fora ou dentro em mim.
.
Na cabeça uma marcha solene digna de reis consolando numa ilusão de importância.
.
A chuva rioando pela face e eu esperando acreditar num milagre.

Como sonhando

.
Maria está nua de inesperada nudez e desprevenido aconteceu-me como se o estivesse.
.
Numa mansarda no declive de Alfama quase direita na linha do Tejo.
.
Descalço nas tábuas e divã, a música e o ar que traz frescura, calor, luz e rua.
.
Amanhã é longe, dia não finda.
.
Maria infinitamente nua como numa fotografia.
.
Cheirantes um do outro, aroma de memória futura como tudo resto que sobra dos abandonos.

sexta-feira, setembro 09, 2016

Me ache se perder

.
Desacredito-me na teimosia dos castanhos, deserdado do espaço ao redor, em promessas e das traições.
.
A vida é uma mentira que não pedi. Duvidando-me luto contrariando, em provável ilusão.
.
Sou o que sou, pateta dolorosamente míope, colhendo da traição que não me fiz.
.
A vida cheia de nada, perdas e desencontros.
.
Se a derrota me derrotar e engolir os castanhos que os castanhos depositaram no sou.
.
Engano-me nas minhas mentiras piedosas, ilusões de valor e préstimo, onde fica o meu único amor-próprio.

quarta-feira, setembro 07, 2016

Do livro e da boca

.
Sempre que uma palavra se inventa há um Camões que se alevanta de feliz.

Palavra

.
Depois de dita a palavra é plena, não volta, e do mundo. Assim o texto mas não a revelação. No o caminho a luz é de quem sabe e sabe como. Nem indo lado-a-lado, porque cada o seu. Aliás, lado-a-lado só quem sabe e quem pode, resta inconseguimento.

No subúrbio

video
.
Na alcatifa no chão duro e almofadas e quase nada sem horas sem campainha sem telefone só nudez solitária dos solteiros e pipocas amendoins e cerveja, coboiadas ao sabor da pólvora.
.
Os bandidos mortos na dança de cair, com cigarro na boca e pó todos só o cheiro não, e iguais.
.
Que seria a vida sem fitas de cowboys e tardes antigas nos cinemas de reposição e sessões contínuas onde primeiros beijos.
.
Sem cerveja não haveria espaçonaves nem homenzinhos-verdes pistolas de lazer portas de luz nem viagens sem distância e matéria e parte da vida.
.
Que do cinema negro e série B de terror e erotismo sem cerveja e segredo esquecendo o tempo.
.
Só sem cigarros e haxixe e conversas inlembráveis e respiração.
.
Tudo resumido numa palavra de nudez silenciada em rios do esquecer, pipocas amendoins e cerveja no escuro da luz da televisão sussurrando para ninguém saber.
.
Para ninguém e nem mesmo.
.
Quando se vive como um rato resta morrer como um homem.
.
Quando se não se sente nada é porque se sente tudo. Por isso.

Os dias

video
.
Há tempo com futuro.
.
Há tempo levado no mar das lágrimas. Vai o coração e sobram cabeça, estômago e fígado. É quando da injustiça e de raiva, a incompreensão com o sabor férreo do sangue e da espada acobardada.
.
Está-se no quarto de dentro, assombrado num escuro, noites de reclusão e vigília falando com fantasmas e amigos imaginários. Dizem-se as verdades poupadas pela inutilidade.
.
Há um tempo sem tempo, quando se sonha a infância e se ri do destino, provavelmente merecido.
.
Haverá tempo para esquecer e o dia.