quinta-feira, Agosto 21, 2014

Uma matilha negra não de cães mas de medos

Tenho cansaço suficiente para mais duas vidas. Deram-me desprezo para mais três. O tédio é tanto que temo ter a eternidade para o gastar. Não fosse a dor, diria que não tinha alma.
.
A alma serve para quê, afinal? Talvez seja como o apêndice intestinal, cuja função é mandar gente com dores para o hospital. O apêndice dói uma vez na vida. A alma pode doer a vida toda.
.
Se formos a alma... o que é o mais provável... viver pode ser uma dor. Uma dor invisível que puxa tendões, arranha nervos, soca órgãos, massacra a cabeça, derruba tudo, ensona doentiamente  ou gera vigílias violentas. Pura retórica. Bem sei que somos alma e o corpo a veste.
.
Tenho esperança, murcha e triste, que a morte exista. Bem se vê que não falo do corpo. Morrer, morrer mesmo... a alma consumida, incinerada, fulminada, degolada, qualquer coisa...
.
Já o corpo ilude a certeza de ter alma e a cabeça diz.
.
Sim, esperança que a morte exista. Que a desistência espiritual seja possível, não haja eternidade nem reincarnação.
.
Os afectos são um pedúnculo que liga corpo e cabeça à vida terrena. Afectos? Que afectos?
.
Gostava que Deus me desse a bênção de desexistir. Puf! Estar aqui ou lá e... puf! Nem memória restar ou quem quiser que a tenha.
.
Que afectos? Pessoas que se acredita poderem dar ombro, afago e ouvição. A convicção de afectos torna tão difícil engolir comprimidos como saltar para a linha férrea ou mergulhar.
.
Afectos? Quais... afectos?
.
Uma matilha faminta devora-me os dias. Matilha de bichos maus, escuros de olhos de farol, da cor do sangue... que me devorem então e possa partir. Uma matilha de medos.
.
Afectos? Que afectos?

domingo, Agosto 17, 2014

Como uma abelha

Estava acordado e sonhei-te
.
nua e mal escondida pelos lençóis amarrotados
.
via-te nadando em pétalas.
.
Mergulhei procurando-te o botão
.
beijei-o e a corola se abriu
.
entrei como abelha.
.
Ali estivemos tempo sem medida.

sábado, Agosto 16, 2014

Letra L


A vida é dos vencedores. Um derrotado se tem nome é porque venceu, chamemos-lhes bravos ou heróis ou mártires. Se for um pobre Diabo, nem uma vírgula terá na história. Toda a cavalaria de todos os exércitos lhe passarão por cima. Se chover será lama, ou então será pó.