digo e o oposto, constantemente volúvel, às vezes verdade. juro pela minha alma, mais do que vinho amo a água e só me desenseda e lava, a cara, o corpo e a vergonha de ser quem não quero. os sonhos antigos são sonhos e antigos e os novos de esperar, é esta a vida a mim agarrada, se esperança existe.

sexta-feira, agosto 31, 2007

Finalmente

Há momentos para fechar os olhos... em que a realidade deixa de ser para se tornar noutra coisa qualquer. Nada deve correr mal e há um mar de felicidade para viver: o céu também vai estar azul. Estou de férias não tarda nada.

terça-feira, agosto 28, 2007

Comoção

Este azul deixou-me enternecido e triste. Como pode o azul ser triste? Nem conto o que pensei ao ver desgraçada a criatura. Não digo, não conto. Porque há uma identificação com toda a gente e um desassossego de afecto. A tristeza é um sentimento simples.

O último Tokay

Tenho ainda na boca o sabor da maçã assada e do mel. O último Tokay estava complexo e eu meditabundo. Por mim passaram os últimos dias e a prisão do quarto escuro. Já quase não me lembro do quarto escuro, porém vejo a ferida por cicatrizar. Quantos dias demora o esquecimento? Tão pobremente estava o corpo como agora é límpido o contentamento. Estava complexo o último Tokay, prestou-se à contemplação da vida toda.

O eterno amor

Namoro eterno, amor caduco. A viuvez por um corpo vivo e de tudo o que resta do tempo todo. Agora nem as silhuetas são as mesmas nem as sombras o esperam ser. A vida é breve e o tempo muito. A memória é finita, mas teimosa. As mãos não se juntam nem vêem. Os olhos não se juntam nem se vêem. A viuvez é tudo depois do eterno amor.

sexta-feira, agosto 24, 2007

Aforismo

A filosofia é filha do ócio e a meditação é filha do tédio.

Dias longos

A cor do céu é negra. A cor do vinho é negra. Brancos são os meus dias, entre o tédio e a velocidade.
O Verão cheira finalmente. O vento não partiu e traz o Verão enlaçado. O Verão é azul. Azul como as esperas e os desejos.
Deseja-se o ar e as nuvens. Desejam-se os coentros ou o hortelã temperando sumo de limão. Os limões são de Inverno, por isso são desejo de Verão. Os limões são amarelos como brancos os dias.
A cor do céu é negra e a roupa estendida exala o odor limpo. A cor do céu é negra e rubras são as noites em que se bebe à vida.
Os dias de Verão são longos. Os dias de Verão estão deitados numa espreguiçadeira, molhados e indolentes. Não há mal que venha. Não há medo no Verão. Contudo, a cor das noites é negra. Azul é o Verão.

Emenda

Não emendo nada na minha vida. Detesto o caos, emendas e rasuras.

quinta-feira, agosto 23, 2007

Os três estados - uma questão de m****

Os intestinos ora fabricam produtos sólidos ora gasosos. O problema só existe quando criam líquidos.

Nota: Tenho também direito ao mau gosto e às frases infelizes (não é só o Miguel Portas e o Movimento Verde Eufémia). É a silly season a atacar no Infotocopiável.

Festim

A beber como bebo, já não tenho fígado, tenho uma isca. A minha autópsia será um banquete.

Complicação

A vantagem das coisas simples é serem simples. A desvantagem das coisas simples é serem difíceis.

terça-feira, agosto 21, 2007

Amor por conhecer

Esta noite sonhei-te. Estavas com os cabelos loiros como sempre e o ar de menina mimada com ar triste, pequena e magra. Esta noite fartei-me de sonhar e, porém, nunca contigo o tinha feito.
Os anos que passaram deram-me agora uma fome de inexplicável ternura. Ainda o ar de menina e os olhos lentos e, às vezes, assustados. Não tens medo de mim. Contudo, se pudesse comia-te.

Get this widget | Share | Track details

Despedida





















Uma recusa e um poema por ler. Na intimidade da cama ficaram todos os beijos sobejantes por dar e a tal leitura. No quarto obscuro, o homem voou para seduzir nos últimos instantes duma vida.
Se bem que o corpo não saíu do corpo nem a alma o abandonou, a magia dos dias íntimos esteve toda lá. Menos os beijos quentes no corpo. Os amantes despediram-se.
Na cama morna havia dois corpos, só não havia beijos. Junto ao leito estava guardado um poema de cumplicidade, uma premonição de despedida.
Os amantes abandonaram-se ainda partilhando a cama. Contudo, sem beijos, mas com a indiferença, quase desprezo, de um e a tristeza incompreendida do outro.
O que importa a vida se há um momento em que deixa de ter sentido? Não porque os dias não se compreendam na ausência, mas porque ficou um poema por ler. Era uma premonição e um desejo de novos afectos entre os mesmos amantes.

O factor C

As cunhas são importantes! Ora veja-se: Com tantos livros no mundo, que não terei tempo em toda a vida para os ler, por que haveria de ler o teu se não fosse por te conhecer?

quinta-feira, agosto 16, 2007

Do infinito

Se houvesse um movimento perpétuo os caminhos não precisariam de acabar. A mecânica perfeita é a de Deus, só o seu caminho não tem começo nem fim.

A vida é

A vida é uma sucessão de dias. A vida é uma sucessão de vidas. Umas vezes está-se on e noutras off. Quando se está uma coisa ou outra? Somos espírito, mas na carne não temos memória. Quando é que a vida está on? Quando assim acontece.

A luz e a zanga


- Que a luz te não falte - disse o anjo.
- Assim o queira o Senhor Deus - respondi.
- Que a luz não te falte, assim o queiras tu - disse o anjo.
- Por vezes, a vida é negra - teimei.
- Os dias de luz és tu que fazes e os de sombra também - disse o anjo.
- Mas não há sombra sem luz - continuei.
- Não é isso que quer Deus - argumentou o anjo.
- Zanguei-me com Deus. Deus não me dá nada que eu peça - barafustei.
- Os teus dias és tu que os fazes e neles fazes o que quiseres - disse o anjo.
- Estou farto dos meus dias e Deus não mos alivia - quase gritei.
- Tu também não alivias os dias de Deus. Limitas-te a existir e a pensar só em ti. Que fazes tu pelo bom Deus? - perguntou o anjo.
- Se ele não me dá nada a mim, por que haveria eu de lhe dar alguma coisa? - interroguei retoricamente.
- Ele deu-te a vida - disse o anjo.
- Pois eu não a quero para nada - disse encolhendo os ombros.
- És eterno e imortal, sabias? - prosseguiu o anjo.
- Marimbo-me para a eternidade. Se não quero a minha vida para que quero a eternidade? - argumentei zangado.
- Pede isso a Deus - disse o anjo já saturado.
- Não peço nada a Deus, porque ele nada me dá. Fico com os meus dias para a eternidade - concluí.
- Muita luz para ti - desejou o anjo.
- Muita luz para ti e que o diabo te carregue - acordei ou adormeci, não sei bem.

O leite

O leite entornado exala o odor da nascente infância. Na mesa, as moscas rondam o banquete e com as patas sujam e provam. As moscas têm sempre razão quanto à comida. O ar fresco chega em forma de vento, mas não leva nem as recordações nem o cheiro da nascente infância.
Havia dias escuros. Havia pesadelos dificilmente explicáveis. Havia mil receios e a carência do abraço da mãe. Havia um quarto escuro e solidão, nas noites intermináveis e rompidas pela precoce insónia. Havia o cheiro do leite.
O dia das felicidades acontecia sempre no Natal. Depois havia os outros dias todos, menos lembráveis e igualmente felizes. Em todos eles a espera da plenitude maior e o mesmo cheiro do leite.
O leite é uma memória e a inquietação das horas. As moscas pousam no derrame branco e sujam-no com as patas. As moscas provam o leite pelas patas, têm sempre razão no que se refere a comida. Por mim, deixo estar, não me quero incomodar. Só me pertur

sexta-feira, agosto 10, 2007

O dinheiro

O dinheiro só dá prazer quando se está a gastar. O dinheiro só tem importância quando se o não tem.

quinta-feira, agosto 09, 2007

E se o tamanho importar?

Príapo, Deus grego da fertilidade... caso restem dúvidas. Filho de Dionísio, deus do vinho e do prazer, e de Afrodite, deusa da beleza. É o que se pode designar de fruto duma grande bebedeira.

quarta-feira, agosto 08, 2007

E se o tamanho importar?

É sabido que Apolo é belo. Mas só por milagre poderá satisfazer uma mulher... até porque a sua existência desaconteceu com a ascensão do Cristianisto.

Atrações

As mulheres dos ricos são mais belas. O dinheiro traz poder e as mulheres gostam de dinheiro e de poder num homem. Já os homens dão preferência à beleza.

terça-feira, agosto 07, 2007

A jura

Morrerei se voltar a pronunciar o teu nome ou a ti dirigir palavras doces. Morrerei por voto e vontade. A tristeza é só uma e os contentamentos, de velhos, tomaram a cor verde dos teus olhos.
O passado está pousado numa cama por fazer. Lá ficaram marcados os corpos, esquecidos de todos os dias que se seguiram. Até suas sombras e suores estão fechadas no quarto nunca mais aberto, assim os beijos nas memórias.
As estradas têm os mesmos destinos e o Sol voltou ao lugar de antes, ao sítio do reencontro das duas vidas separadas há umas vidas. O Sol voltou ao lugar, mas não nós ou as esperanças.
Morrerei se voltar a dizer o teu nome ou a ti dirigir palavras doces. Não partirei cedo ou viverei eternamente, tal é o dissabor.
Get this widget Share Track details

Fim e agonia

A doença assusta mais do que a morte. Uma é um fim totalitário e inevitável. A outra é a aproximação do limite final, a esperança em agonia e a decadência da qualidade de vida. Prefiro a morte à doença.

Nota: Bem sei que este são só dois dos quatro cavaleiros do Apocalipse.

segunda-feira, agosto 06, 2007

Babel

A minha língua é diferente da tua e os meus olhos talvez vejam diferentemente dos teus. Como será a cidade do futuro?
- Será alta para tocar os pássaros em voo.
- Caberemos todos nela.
- Terá de ser um espelho de virtudes, ou não será a cidade do futuro.
- Mas já o dizemos há muito tempo...

Pieter Brueghel - velho


Autor desconhecido


Autor desconhecido


Hendrick van Cleve


Stich von C. Decker


Doug Tiller


Gabriela Trynkler


Julee Holcombe

sexta-feira, agosto 03, 2007

A beleza sagrada

O segredo da beleza está na sua indefinição. O segredo da fé está na sua certeza. Vénus era uma beleza certa.
Get this widget Share Track details

Síntese de duas vidas

Dentro dos antigos amantes há um cão negro que morde da alma ao coração e das entranhas à carne. Que conversa pode haver entre um mudo e um surdo, ambos cegos? Não importa, é uma metáfora. Há alturas em que o muito para falar torna-se em nada para dizer. São pessoas, têm vidas.

Vidas

Há um cão negro que me morde por dentro, da alma ao coração e da carne às entranhas. O tempo antes do agora nenhum sentido tem e foram-se as ilusões.
Não é ciúme nem raiva, a dor que atormenta. O passado é a prisão da saudade e, por esta altura, há desorientação num labirinto negro e sem qualquer luz.
Que conversa pode existir entre um surdo e um mudo, ambos cegos? Não importa, é uma metáfora.
Depois, no futuro o ódio, a raiva escondida e a ingratidão pouco importam. Esfumam-se as manhãs, as tardes e as noites de felicidade esfusiante. Duas vidas calcinadas pelas cegueiras do orgulho e do rancor. Há um dia em que o muito para dizer torna-se no nada para falar. São pessoas, têm vidas.

quinta-feira, agosto 02, 2007

Saudades

Depois de todas as facadas e mistérios, quero-te noutra canção. Se já não há lugar para a loucura, ainda resta o sulco crónico da dor. Onde ficou esquecida a confiança e todos os beijos, há agora uma cidade abandonada. Já ninguém se quer lembrar de todas as alegrias nem repara no breu estrelado. Depois das facas e dos segredos ainda restam os sonhos que à noite unem o que a vida separou.

Bobby Darin

Ella Fitzgerald

Louis Armstrong

Robbie Williams

quarta-feira, agosto 01, 2007

Voar

Esta noite voltei a sonhar que voava. Era Outubro ou outro Outono qualquer. Uma roda gigante e uns espaços largos de gente alta que procurava alcançar-me como se fosse um balão a fugir.
Esta noite voltei a voar. Subindo os degraus invisíveis e deitando-me para a frente, sobre a mesa de voo, seguro de que não cairia. Atravessando a portada rectangular sobre um fogo ritual, correndo de ponta a ponta a ilha de mar azul.
Como se fosse o homem do fato escuro e chapéu de coco. Como se voasse na vertical. Como se fosse possível viver sem voar. Como se fosse possível estar não viver sem ser desprendido. Dono de toda a decisão e sempre ingénuo.
Esta noite voltei a sonhar que voava. Pouco importa se o fiz e por quanto tempo. Hoje acordei como se tivesse voado.

Get this widget Share Track details