domingo, março 12, 2017

Do entardecer à luz da manhã

.
A música e o vinho vieram de noite, até ao primeiro beijo de transgressão entre os ébrios.
.
Uns caíram sem loucura e outros como os salmões nos ribeiros. Nem todos adormeceram, descalços na pedra dos degraus ficaram esperando alguma coisa.
.
Ainda sem luz e o já perdido o escuro. A fruteira dá fruta todo o ano e a videira trepa pela parede. Vêem-se as montanhas para lá da floresta e o jardim demora-se a acordar.
.
Descalços na pedra dos degraus quietaram-se hipnotizados, em esforço de ficar ou dormir.
.
Do vinho e do amor à ressaca e ao arrependimento. O frio subtil anuncia a hora. Logo mais tarde.

Sem comentários: