segunda-feira, setembro 12, 2016

Rios

.
Às escuras se chora, sabemos, e à chuva também se secam as lágrimas.
.
O resto são sobras, feitas de horas, feitas de dias.
.
Fora da casa fechado sob o tecto de céu, mistérios de partida e chegada.
.
O claustro vazio. Nem arrepio, sem consolo. Só a chuva, não sei se fora ou dentro em mim.
.
Na cabeça uma marcha solene digna de reis consolando numa ilusão de importância.
.
A chuva rioando pela face e eu esperando acreditar num milagre.

Sem comentários: