segunda-feira, setembro 12, 2016

Descompreensões

.
Quarenta e seis anos desanalfabetisando-me e não entendo as coisas.
.
Garganto-me, esboço de certeza em contradição do que sou e estou, reflexo dos espelhos que me apontam, o único brilho, incinerando-me.
.
Falares que riscos apagam sem resistência.
.
Em permanente contramão viajando na velocidade de espiral de matéria-negra. Sem travões e a crença-vontade infantil de que chegarei salvo.
.
Criança insistente mas batida de passado e consciência, ruído de incompreensão e injustiça – talvez verdades.

Sem comentários: