quarta-feira, setembro 07, 2016

No subúrbio

video
.
Na alcatifa no chão duro e almofadas e quase nada sem horas sem campainha sem telefone só nudez solitária dos solteiros e pipocas amendoins e cerveja, coboiadas ao sabor da pólvora.
.
Os bandidos mortos na dança de cair, com cigarro na boca e pó todos só o cheiro não, e iguais.
.
Que seria a vida sem fitas de cowboys e tardes antigas nos cinemas de reposição e sessões contínuas onde primeiros beijos.
.
Sem cerveja não haveria espaçonaves nem homenzinhos-verdes pistolas de lazer portas de luz nem viagens sem distância e matéria e parte da vida.
.
Que do cinema negro e série B de terror e erotismo sem cerveja e segredo esquecendo o tempo.
.
Só sem cigarros e haxixe e conversas inlembráveis e respiração.
.
Tudo resumido numa palavra de nudez silenciada em rios do esquecer, pipocas amendoins e cerveja no escuro da luz da televisão sussurrando para ninguém saber.
.
Para ninguém e nem mesmo.
.
Quando se vive como um rato resta morrer como um homem.
.
Quando se não se sente nada é porque se sente tudo. Por isso.

Sem comentários: