domingo, setembro 25, 2016

Glória

.
De morte vou nos dias, sou a sombra e a sombra sobre mim se debruça e a sombra a mim se agarra.
.
As ruas e os lares são fora, vivo numa esfera translúcida donde toda a vista se deforma e o som se imprecisa.
.
Anseio uma loucura menos nítida para que passei a nudez e diga alto palavras sonâmbulas.
.
Se ao menos tivesse coragem para rir até me tomarem por tolo, os que não sabem e os que deixam e os incertos.
.
De tudo se pode vergonha e glória.
.
.
.
Nota: Não consegui apurar a autoria do desenho. Quem o souber, por favor, informe-me, de modo a poder atribuir os créditos de autoria.

Sem comentários: