sábado, setembro 24, 2016

Névoas

.
Há a lei e a transgressão. A vida é juízo e riso. Pouco será tão arrogante quanto dizer que de nada se arrepende.
.
É-se velho no inevitável lamento mas cego ao espelho, certo de que nenhuma nos faltará, sobretudo com um roadster descapotável.
.
Quando se vai a um armazém de tristezas e negações e se paga para dançarem nuas no colo, roçando os mamilos nos lábios, largando perfume barato e pó-de-talco, para mal disfarçar esperando ciúme, que provavelmente não acontecerá.
.
Quando se vai às putas.
.
É-se velho quando a geração é gorda, sofre de cancro, deixa de fumar e se casa pela segunda vez, porque só ouvem as canções dos dezasseis anos ou as que eram pirosas, paralisados diante do ecrã do computador em Error 404, e as fotografias antigas não fazem sentido e nem se reconhece.
.
Falta o tempo da esperança, muito mais do que os cabelos esbranquiçando-se. Quando se esquece a jura de que a verruga é perfeição adormecida.
.
Quando já não se sabe se sabe e nem a incerteza é certa.
.
Quando dizemos que antigamente é que era bom, a música agora não presta, os jovens não se sabem vestir nem pentear.
.
Quando a escola não ensina e os miúdos saem sem saberem coisa alguma.
.
É-se velho quando se vive, acordado e dormindo, a derrota e sonhando se faz da vingança a justiça, na felicidade de fim de livro, realizado e reconhecido.
.
Quando nada se diz para nada ouvir.
.
Quando se diz que velhos são os trapos.
.
Quando se diz que não se caminha para novo.
.
Quando nega ser o que se garantiu nunca estar.

Sem comentários: