segunda-feira, agosto 15, 2016

Livro que não escreverei

.
A vida ensinou-me mas não aprendi.
.
Se tempo valesse dinheiro, onde guardaria a fortuna? Dos dias que não uso.
.
Não há maior tristeza do que a tristeza nem engano mais escuro do que não sentir ao sentir, na dormência das verdades e equívocos.
.
Porque se corre para onde se corre e se fica sem caminho nem vontade.
.
Olho as minhas palavras e nelas vivo os erros, não de letras desencontradas ou pontuação enganada – pois que também. Leio e percebo que pouco aprendi além de dúvidas.
.
Na verdade penso por que escrevo se não o faço para desabafo – ainda assim também. Perdido mas respirando.
.
.
Não estou nu à janela. Estou muito em toda a parte, da luta de dizer do escuro, recebendo as derrotas obrigatórias – ninguém confia depois da verdade.
.
As respostas às grandes e primeiras questões não me interessam, pois sou certeza como qualquer ignorante.
.
Escrevi:
.
– Pouco aprendi além de dúvidas.
.
– Sou certeza como qualquer ignorante.
.
Duas verdades incompatíveis, equação impensável. O resultado é incolhível, bastam-me os alimentos do negrum, sem o «E» iluminando, do esforço prefiro inconseguir – incompetente.
.
Pensar dá-me dores de alma e não pensar também, jogo xadrez com amigos imaginários na sala dos jogos do meu palácio, sítio ladrilhado igual ao tabuleiro, onde Alice passou procurando e fugindo da Rainha. Um espelho muito grande além das paredes para fugir.
.
Para que preciso da realidade se a fantasia basta? Jogando no computador posso ser quem quero onde quero, inutilizando as verdades onde sou impotente. Tanto faz, deixei de brincar.
.
Há silêncio na noite chuvosa e gatos cruzando as ruas. Não gosto sapatos salpicados nem da gabardina seca sobre a roupa encharcada, por causa do corpo, não da que vem.
.
.
Essa estrada não é mais triste do que na luz num dia quente. Silêncio sem música, apenas passos talvez um miado nem luz sem a Lua nem também.
.
Olho as minhas palavras e pergunto-me acerca do que seria se lhes tirasse as vogais ou as consoantes ou todas. Para quê, se poucos lêem e nenhum diz.
.
Ah! Há o passado. Engano-me dizendo ter sido feliz. Dois «A» não fazem uma gargalhada e sei rir entristecido. Mas não finjo orgasmos nem escondo as impotências, porque conto as tristezas e – caso tenha entendido mal – calo-me das intimidades da cama.
.
A minha vida é de ouro. Os dias antigos têm a agradável patina e estes são horríveis tal o é no brilho novo.
.
A verdade é o engano. Não foram do ouro nem da prata nem do xisto selvagem ou do mármore polido. O granito tem dois pólos do agrado, ainda menos.
.
Sinto e vejo ervas de comer crescidas na beira das águas que vão ou estagnam. Tanta fome se passou hoje se desprezam sabores. Não as distingo. Esse é outra coisa, ainda seja diversão contra a dor e a dormência.
.
Há quem carregue cruz e outros de nada se arrependem. Acreditei em tantos amigos, infantil queria tudo amor, todos amor, falharam, falhei, também nós, perdi sempre que perdi algum, ainda os que não o eram e não fui ou simplesmente traí e traíram – é diferente. Assim as mulheres. Tal aquele filho, onde cúmplice contrariado.
.
É possível amar (momentos) quem foi, bolha de ar que rebenta sem som ou consequência – ponho de parte dores passadas e, num instante controlado, as dores, rancor nunca tive.
.
Ganhei amores – um ainda puro e incondicional. Virá longe o fim da inocência, sei que o seu sabor longo dura menos do que o do caramelo.
.
As tristezas não pagam dívidas. As alegrias são iguais. O dinheiro não traz a felicidade e a falta dele é clara.
.
Não se resume tudo a dinheiro. Deseja-se o que se não tem. Afinal, tenho um palácio incrível com jardim diverso e inesperado em expansão igual à do universo. De todas as árvores digo das laranjeiras e dos ciprestes. Na fachada, na vez das heras, há videiras – refrescando o Verão, sem sufocar o Inverno.
.
.
Posso ser quem quiser e tenho um Adenauer preto e um Corniche de azul-prussiano. Tantos, gosto mais do DS2, obrigatoriamente negro, como fantasia de filme infeliz fora da época.
.
Só vejo a Relíquia Macabra.
.
Nosferatu e o Couraçado Potemkine. Anjo Azul E do Céu Caiu uma Estrela.
.
Als das Kind Kind war – da imagem ao poema de Peter Handke. Sonho ofegante a estrada de ferro para o inferno do Ano Zero. Afinal fui alemão e morri numa roupa negra, tenho os remorsos doutra vida, dívida da consciência.
.
.
Cito ou tiro não roubo. Talvez às vezes sem querer e outras por sabendo, tão óbvio que nem engano. Gatuno-me deveras, pois se está como quero há que usar – é mais fácil.
.
Na casa há uma estação com duas linhas e um pequeno comboio tão feio que me apaixonei, não sei do combustível nem conheço o seu tratador. Nele vou pelo domínio.
.
.
Tenho um pavilhão aberto com cortinas brancas que avoam, é árabe, passa o ribeiro encanado em tijoleira rústica e próximas estão as laranjeiras, os ciprestes quase invisibilizam o lugar – ainda ninguém sabe nem virá, só mulheres desejadas na insaciedade.
.
.
Escarlate-negro-azuis barrocos-góticos-pedras-madeiras-tapeçarias ferro-vidro-plantas-comboio cozinha-grande.
.
Talvez não tenha contado dos cheiros. Podem todos menos os do leite e dos peixes – a realidade invade o sonho, há que a matar andes de chegar.
.
Pus tanto e a vida é mais curta, a pedra é fria e a madeira quente, no Inverno há calor e no Verão está o jardim, ainda o ano todo, nas ruas está o silêncio da noite chuvosa onde só gatos e Lua – nem sempre, quero-os.
.
Confesso-me vampiro, fui lobisomem – na tal outra vida. Tenho consciência, não sou zumbi.
.
No jardim não poisam naves de planetas estrangeiros e no lago há dois Nessies. O Monstro da Lagoa Negra nunca existiu.
.
É quase tudo de mim. Se não conto é roçar as inlembranças e a preguiça, pudor pouco e muito nu em toda a parte.
.
Quantas vezes quis andar e impotente, indiferente noutros olhos, arrastando-me contrariado-aflito pelo chão da chuva do maremoto do movimento das margens, noites impossíveis e eternas. Mais poderia, chega.
.
Sei que não disse do jardim onde waldeinsamkeit.
.
.
O resto não me importa. Nem importa a ninguém.
.
.
.
Nota: Devido às limitações do espaço para etiquetas, deixo aqui os créditos dos trabalhos artísticos utilizados. Infelizmente, não consegui apurar todos autores. Assim, peço o favor, a quem souber, que me informe, de modo a poder citar a autoria.
.
Fotografia da biblioteca: Marcel Breuer.
.
Fotografia da floresta (verde): Piotr Szewczyk.
.
Pintura da rua chuvosa: John Atkinson Grimshaw.
.
Fotografia do Mercedes: autor não encontrado, atribuído a www.autoevolution.com.
.
Vídeo: excerto do filme Europa, de Lars von Trier.
.
Fotografia do eléctrico: autor não encontrado.
.
Pintura de casal fazendo amor: Costa Dvorezky.
.
Fotografia da floresta (preta): Husvik.


Sem comentários: