digo e o oposto, constantemente volúvel, às vezes verdade. juro pela minha alma, mais do que vinho amo a água e só me desenseda e lava, a cara, o corpo e a vergonha de ser quem não quero. os sonhos antigos são sonhos e antigos e os novos de esperar, é esta a vida a mim agarrada, se esperança existe.

segunda-feira, agosto 15, 2016

Cacilheiro da areia

video
.
O comboio é pequenino como um menino, não será como uma mãe, mas sentiria falta se fosse embora, ainda mais a areia e o Verão, quase se Tejo perdesse o cacilheiro.
.
Vê-lo passar traz-me as bolas de Berlim e as bolas Nivea. Sabe-me aos Epá e à pastilha-elástica estranha no fim do cone.
.
Visto aqueles calções hoje tão feios e lagarto até ao carvão, levantando discretamente a cabeça para ver as miúdas mostrando as maminhas, virando-me na toalha para esconder o óbvio.
.
Um dia, quando a praia era só areia e mar, ela despiu o fato de banho lilás para a fotografar, como se tudo fosse permitido ou fossemos invisíveis. O Transpraia chegou-se e apitou.
.
Vê-lo passar, ver passar o tempo. O percurso foi maior, viajar é de longe mais do que ir da Costa da Caparica à Fonte da Telha e voltar.

Sem comentários: