terça-feira, julho 12, 2016

O voo da orca

.
Ir sem voltar, sobrevoar o oceano baixo que salgasse e ver o salto da orca no caminho de Cabral à areia branca e coqueiros.
.
A distância só me custa fora da casa. Ainda assim riscar o ar céu sem regresso nem morte nem saudades nem prisões.
.
E antes no areal contemplar o sonho como os braços alcançando a margem oposta puxando e comigo as lembranças de ficar deixando mágoas e arrependimentos. Uma vida sem princípio.
.
Nunca olhar para a crusta portuguesa e noutra parte esquecer o horizonte.
.
A música infinita sem saciar nem indigesta e o corpo de sal e areia. Se eu ficasse além de mim.
.
.
Pormenor da Carta Marina.

Sem comentários: