digo e o oposto, constantemente volúvel, às vezes verdade. juro pela minha alma, mais do que vinho amo a água e só me desenseda e lava, a cara, o corpo e a vergonha de ser quem não quero. os sonhos antigos são sonhos e antigos e os novos de esperar, é esta a vida a mim agarrada, se esperança existe.

sábado, julho 16, 2016

Minotauro

.
Que vida podes dar? Só ovo e semente. Acredites ou negues Deus, sozinho não tens sopro criativo. Sobre a morte também nada.
.
Quanto vale uma vida humana se não a podes inventar? E se for formiga ou urso ou crocodilo ou tamboril ou colibri? Não revertes a morte.
.
Dirás que matamos para comer. Direi que sacrificamos, porque nos cede vida.
.
Ah, a morte! Morreremos, dirás. Possivelmente até te sentirás imortal.
.
Ah, a morte! Fim de ciclo da vida ou duma vida.
.
Feres, matas e amas. Leva-lo ao desconhecido, onde assustado pelas luzes, vozes e música.
.
Em Espanha picam-no antes do massacre. Mas leva os cornos vivos. Dizes da sua morte honrosa. E se matar o homem?
.
Em Portugal é rasgado a cavalo, porta para sofrimento a outro bicho. Tem os chifres fechados. Honra só os forcados, que se vestem de sangue, agarrando de corpo desarmado.
.
Às vezes correndo desgovernado para divertimento. Às vezes preso a uma corda, sem a liberdade de quem goza. Às vezes iluminado com fogo preso nos chifres e queimando-se.
.
Gostarias que te fizessem? Que não!
.
Traje de luzes, dizem. Luz negra de negrume, sombria de dor.
.
Ah! Que Deus proteja o bravo homem enfrentando a besta. Pode amar mais um filho do que outro? Acredites ou o negues, não tens sopro criativo. Sobre a morte também nada. Seja! O que for! Não podes! Não podes nada! Um dia morrerás!
.
E se disseres que Deus protege o homem, porque homem é homem e tu és homem, e fez do toiro um inimigo? Quando te benzes pensas em Francisco de Assis? Tens-te como melhor santo.
.
Se o toiro mata que se mate ainda a mãe. E se fosse contigo? E se fosse a tua mãe? Aquela que possivelmente chamas de santa. E se fossem os teus queridos filhos?
.
Pode saltar-se sobre o dorso e desafiando as hastes. Como os minóicos. Mal menor.
.
Pensa com coração e consciência. Na justiça e em Deus ou no tangível. Não tens sopro.
.
Em branco imaculado, diz-me se não te sentes Minotauro.
.
.
.
Podia citar as muitas notícias acerca da morte de um toureiro na arena. Daria sempre no mesmo. Uma basta. Fica a do sítio da TVI, de dia 11 de Julho de 2016.
.
.
A progenitora do touro que colheu e matou um toureiro, na praça de touros de Teruel, em Espanha, foi abatida. É o que dita a tradição tauromáquica de Espanha. Esta decisão impulsionou os protestos por parte das associações dos direitos dos animais.
.
Victor Barrio foi fatalmente atingido pelos cornos do touro, em frente a centenas de espectadores, incluindo a sua mulher. Este episódio ocorreu no sábado, na província espanhola de Aragão. Barrio tornou-se o primeiro toureiro deste século a ser morto durante uma tourada.
.
O animal, chamado Lorenzo, atingiu o toureiro no peito, causando-lhe ferimentos fatais. O touro foi morto logo a seguir ao incidente, mas, agora, chegou a vez de Lorenza, a mãe, também ser abatida para se acabar com a linhagem familiar. Esta não foi uma decisão inédita, pois a tradição espanhola assim a dita: sempre que um touro mata um toureiro, o animal e a sua progenitora devem ser abatidos.
.
Os activistas dos direitos dos animais demonstraram grande revolta pelo sucedido, referindo que o animal não deve «pagar» pela morte do toureiro. Muitos usaram o Twitter para mostrar o descontentamento, através da hashtag #SalvemosALorenza e, em poucos minutos, conseguiram o apoio de centenas de pessoas.
.
.
.
Nota: Até há alguns anos frequentei praças de touros. Garanto que gostava, provavelmente gosto, de touradas. Um dia pensei na dor e se fosse comigo. Não me importa se gosto. A questão é moral. O prazer não pode alimentar-se de sofrimento involuntário. Não me importa se gosto, mas que alguém faça justiça e finde as touradas.
.
video

Sem comentários: