quinta-feira, maio 19, 2016

Se uma brisa

.
A inércia e a gravidade equilibram-me. Se tivesse uma vontade, .
.
Tenho quarenta e seis anos e não sei o que faço aqui.
.
Amei as mulheres que tive de amar. Amei demais e amei demasiadas. Talvez seja a mesma coisa ou causa e consequência.
.
Gastei o dinheiro que tive. Desta vida não levarei nada e não terei.
.
Soube da bondade e estraguei. Podia ter sido bondoso e não fui. Podia ter sido inconsciente e não fui.
.
Envergonho-me de muita coisa e pediria perdão se conseguisse encontrar as pessoas. Tanto me faz das vergonhas que passei por desamor de outros, façam as suas contas, faço as minhas. Amor-próprio não tenha. O orgulho brilhou, mas resta lama. A soberba alimentou-me, tenho fome.
.
Fui sempre quem sou. É da minha natureza ser outro, que valha a pena ou tenha o meu verdadeiro préstimo.
.
Não minto e nunca roubei. Enfrentei por outros e fiquei só, mas que façam as suas contas, faço as minhas.
.
Nada me prende, nem mesmo uma corda que sustente o que me resta. Se tivesse uma corda, . E soubesse fazer nós, tivesse um tronco robusto duma árvore.
.
Se tivesse nitroglicerina trataria da cabeça e não do coração.
.
Tivesse uma brisa de vontade, enfunaria a vela da barca de Caronte.
.
Um lençol, uma vela, uma corda para a fuga.
.
Tenho quarenta e seis anos e resto.

Sem comentários: