segunda-feira, maio 30, 2016

Espelho

.
Os corpos renovam-se em sete anos. Nenhum velho morre velho. Mas o espelho e as fotografias dizem do tempo. A mana não me reconhece como o bebé que se aliviou na saia nova da adolescente vaidosa.
.
Isso importa. Importa-me a paciência que substituiu a impaciência. Importa-me a impaciência que substituiu a paciência.
.
– Ser jovem é ter espírito jovem!
.
Quem diz de mente, mente. Porque ser-se bonito por dentro só encanta os feios.
.
Agora quero a calma que sinto lentidão. Os brancos e as rugas são-me indiferentes, mas não o rosto e o encarar.
.
Hoje sou mais velho do que alguns já vistos. Passaram-se os vinte cinco, quando entristeci pelo simbolismo. Passaram-se os vinte e oito, passados numa euforia cortada porque um adolescente me tratou por senhor. Passaram-se os trinta da leveza e dos terrores. Passam-se os quarenta.
.
Olho para as fotografias e não reconheço o espelho.

Sem comentários: