quarta-feira, outubro 14, 2015

Nome próprio, Verdade

.
Disse-me:
.
– Ai que piroso… são só meninas atrás de ti.
.
Disse-o no ciúme calmo de quem não teme e reafirmando não namorar comigo.
.
Escrevi:
.
– A minha namorada não namora comigo.
.
Amor curto e intenso e não sei se valeu, por tão curto e intenso. Deitei a perder e desastrada ajudou-me.
.
A namorada que não namorava comigo dizia:
.
– Na vida há um grande amor e depois uma série de pequenos amores.
.
Talvez dissesse dois ou até três, fixei um, é o mesmo.
.
A paixão consome-me e se não fujo – raríssimo – o amor é grande. Matei muitos e fugi mais. Se não me aturo…
.
É quanto valem esses seis ou sete meses de dores esquecidas.
.
Talvez tivéssemos, os dois, razão: amores pequenos e sempre um grande amor.
.
A avó era pintora e o pai respeitava-a. Tinha pais e biológicos. Nunca fui à casa de Tomar. Na praia tremi adolescente quando a mensajava ao subir ainda sem degraus.
.
O que fiz. Fomos à praia e comemos frango assado na estrada por onde se vai.
.
Um segredo maior do que outro. Não fui a Tomar, a avó era pintora e talvez tivéssemos razão.

Sem comentários: