quarta-feira, setembro 02, 2015

Normandie

.
Esteve anos atracado numa parede do meu quarto. Tinha tudo: charme e documentários cinematográficos a preto-e-branco, senhoras da primeira classe e seus chapéus, famílias aborrecidas e gajos vestidos com roupa enxovalhada e sapatos estragados. Tinha um comandante distante e autoritário e empregados de mesa vestidos como empregados de mesa. Tinha fumo negro e vapor translúcido, tinha o silvo e o ronco, o vento salgado e os perdigotos do Atlântico. Tinha a bandeira de França e a do país que inventei quando tinha dez anos. Nele viajavam artistas plásticos milionários refeitos das misérias, burlões encantadores, devassas bem casadas com cornudos joguetes das amantes… Qual é a cor da água rasa? A lâmina cria um bigode pequenino e elegante, tão pequenino para tão grande navio.

Sem comentários: