quarta-feira, julho 29, 2015

Fazer Nova Iorque

.
Não seria capaz de desenhar Nova Iorque recorrendo a outra coisa que não riscos – vi. Corre-se, o céu é riscado e gatafunha-se a relva de Central Park. Uma multidão de riscos atravessa as zebras e a cocaína e também o pudor. Num papel, amontoados e desconexos, bem vincados, os algarismos da sessão de NYSE e os de orgasmo ou impotência do Dow Jones e do NASDAQ 500. No final, o corretor fita melancolicamente os valores, mais velhos e escritos suavemente a encarnado, dos fechos de Londres, Frankfurt, Paris e Milão. Que se lixem – e até amanhã – os mercados asiáticos. Risca-se a lápis, no cartão reciclado da base dos copos dum bar, as cervejas bebidas como massagem. Nas conversas ninguém diz dos jactos que mudaram o mundo. Tudo diferente, até a quinta-feira negra de vinte e nove. Eram de riscos e orgulho. Com três riscos se desenham N e Y.

Sem comentários: