digo e o oposto, constantemente volúvel, às vezes verdade. juro pela minha alma, mais do que vinho amo a água e só me desenseda e lava, a cara, o corpo e a vergonha de ser quem não quero. os sonhos antigos são sonhos e antigos e os novos de esperar, é esta a vida a mim agarrada, se esperança existe.

segunda-feira, maio 11, 2015

Não passará!

.
O Acordo Ortográfico – coisa que soa a tratado de capitulação – é uma rendição incondicional em que todos perdem e não porá fim à guerra inexistente. Pode um Governo decretar que a treze de Maio será parido o aborto linguístico, mas um aborto é falecido.
Não só  o pão mata a fome. Tenhamos todos os vegetais, fungos, carnes e peixes servidos às mesas da escrita. Pode o homem erguer arranha-céus, mas Babel não conseguirá.  Nem esta, mais pequena, porque a areia da argamassa é salgada, porque chegou por mar. A pequena Babel cairá antes de.
.
Confesso que defendi o obviamente indefensável, mas porque duzentos milhões. Um acordo ortográfico será sempre uma ditadura moralista e a minha língua é promíscua, amo-a leviana... fez, faz e fará meninos pelo mundo.
.
Porque lemos castelhano e entendemos, porque lemos italiano e entendemos, porque lemos catalão e entendemos, porque lemos galego – irmão de sangue e leite – e sentimos, porque lemos leonês e dizemos mirandês… e até francês, por que haveríamos de não compreender a escrita em português?
.
Triste quanto um casamento que já na boda se sabe das infidelidades.
.
Roda mundo e a água e ventos e são. O rio será delta, não estuário, porque somos órfãos de latim, a quem lhe morreram os pais, os avós e há muito tempo viemos todos de África.
.
A treze de Maio nenhuma azinheira se iluminará num milagre-pesadelo. Os duzentos milhões não vão escrever ao modo dos doutores, tenentes do idioma, que têm bafo a caruncho e certezas de bafio.
.
E a sintaxe? E a gramática, no geral? E a Fonética? A prosódia troça.
.
A treze de Maio será obrigatório e a treze de Maio haverá guerrilha.
.
Em bom português, vai para, porque a que te pariu, filho de um.
.
.
.
Nota: Oiçam lá como os camones brincam com a coisa, a língua.
.
video

Sem comentários: