digo e o oposto, constantemente volúvel, às vezes verdade. juro pela minha alma, mais do que vinho amo a água e só me desenseda e lava, a cara, o corpo e a vergonha de ser quem não quero. os sonhos antigos são sonhos e antigos e os novos de esperar, é esta a vida a mim agarrada, se esperança existe.

domingo, dezembro 10, 2017

Vento

.
Como expulsar-se no vento – com garantia de não haver ressurreição nem reencarnação – do desarrumo da casa?
.

Agora, do centro para fora. O invés desiludiu-me no sucesso e foi-me insucesso do insucesso.

Sem comentários: