digo e o oposto, constantemente volúvel, às vezes verdade. juro pela minha alma, mais do que vinho amo a água e só me desenseda e lava, a cara, o corpo e a vergonha de ser quem não quero. os sonhos antigos são sonhos e antigos e os novos de esperar, é esta a vida a mim agarrada, se esperança existe.

domingo, dezembro 31, 2017

Inalcançar

.
Sabes muito mais dos vermelhos do que.
.
Sei dum desejo e do falecimento do indevido.
.
Como mentir se as palavras me desobedecem.
.
Se apenas calasse se as letras não teimassem.
.
Escrevi e fechei o envelope. Papel de essências e pétalas para enganar.
.

Fiz o que devia, contei-te. Não enviei.

Sem comentários: