digo e o oposto, constantemente volúvel, às vezes verdade. juro pela minha alma, mais do que vinho amo a água e só me desenseda e lava, a cara, o corpo e a vergonha de ser quem não quero. os sonhos antigos são sonhos e antigos e os novos de esperar, é esta a vida a mim agarrada, se esperança existe.

terça-feira, abril 18, 2017

O infotocopiável acaba aqui

Incompreendi que não gostavam do que escrevo. Criei falsas expectativas.
.
Elogiaram-me muito o romance. Apesar de quatro escritores de renome me terem elogiado e recomendado, o «Sei quem tu és» não foi publicado.
.
Publiquei-o, como e-book, no final de 2015 e vendi, até agora, 21 exemplares. O valor máximo é de 3,99 euros.
.
Não é possível separar esse livro dos textos escritos no infotocopiável, sou o mesmo autor. Bem sei que a escrita evolui, penso que evoluí... provavelmente engano-me novamente... evolui, mas vejo maturidade no meu primeiro e último romance.
.
Divulguei-o no blogue e no Facebook, o que se traduziu em, repito, 21 exemplares em dois anos, três meses e dezoito dias. 
.
Este número é claro quanto à avaliação do que escrevo. Não vale a pena insistir. Não presta!
.
Para as mães, os filhos são sempre os mais lindos. Não diria os melhores, mas pensei que os textos tivessem algum préstimo. Enganei-me, pelo vício da paralaxe. Levei tempo a perceber, talvez me tenha recusado a ver o óbvio, mas não sou completamente estúpido nem narcisista.
.
Não é possível separar o «Sei quem tu és» de outros textos criativos, que andam espalhados por aí, quase todos no infotocopiável.
.
Os textos que estão estacionados no infotocopiável ficam, as palavras que se dizem não tornam nem podem ser anuladas e deixam de ser de quem as escreve, mas é o momento de o terminar e deixar de teimar que sei escrever.

1 comentário:

Luiza Maciel Nogueira disse...

que MIMIMI João - sabes sim escrever mas estamos em tempos de maus leitores, leitores escassos. gosto do que escreves!

a real pergunta é: escrever é indispensável para mim?


abç!