sexta-feira, março 10, 2017

Ao luar

.
A fantasma, nas noites frias e livres, assinala-se deixando-se iluminar. No limite da floresta e do jardim, onde o horizonte dista como o céu. Aguarda sem saber do corpo deixado nem dele, que, partido e ido, por outro lado vive.
.
Nem o sinal assobiado dum vento de assombração a alerta. Amando completamente se desvaneceu e de tão grande não feneceu.
.
Dele nem sinal, irá talvez a galope sem deixar sopro nem pegada ou esteja acorrentado numa ilha ou esquecido numa torre.
.
Não se sabem os anos nem os seus nomes ou as suas falas e juras nem as flores secretas.
.
Por hábito volta e de amor regressa. Seja a eternidade onde for, estará para o receber e ele a ter ao chegar.

Sem comentários: