sexta-feira, fevereiro 17, 2017

Solidão com gato

.
Há muita solidão quando apenas um gato para ser ou dois ou três, como o vidro-martelado, das janelas das traseiras, sob a chuva numa casa sem voz.
.
Não importa se há vista ou saguão, nem mesmo a disposição de abrir as portadas. A solidão é e não as gotas e o tudo-o-mais.
.
Há dias de luz perene, como a árvore, não fenece até ao findamento, sabe-se da sua morte, quase o momento, sente-se e é noite ou tronco oco.
.
O relógio-de-pêndulo repete como o dizer dos velhos e tal é cruamente, o compasso é deixado a levitar.
.
Ah, o gato. Sob coberta quente, os olhos são a nostalgia e o gato quieto caça os fantasmas.
.
.
.
Nota: Este desenho tem por título «Solidão com um gato». Não sendo, assim, uma frase só minha, surgiu-me esta imagem quando pesquisei o complemento para a minha ideia.

Sem comentários: