quinta-feira, fevereiro 16, 2017

As gomas

.
Negros são os dias dentro como as gomas pretas quase azedas e de carvão. Fora de mim é escarlate, cobalto e amarelo-verde-citrão, a Primavera da infância, a primeira vez na casa dos espelhos da feira popular e o primeiro sexo. Antes de nascer prometi-me na alegria, acreditei tanto depois de deixar o ventre, sem passado nem futuro vivi esquecido de ontem e amanhã. Pois carrego as ilusões, recusando-me a claridade. Não é sina, estupidez.

Sem comentários: