quarta-feira, fevereiro 22, 2017

Sala de exposições

.
Um dia, onde a luz e o silêncio falam que é uma sala de exposições, pensei e não me lembrei. Aconteceu agora, por uma nuvem passado pela fronte interna ma ter trazido, como fosse a materialização da memória de navio-fantasma.
.
Se estiver vazia, tenho a sala como noutro sítio, separada do mundo. Aí não sou o mesmo ou talvez cá fora seja a minha mentira.
.
Aí, um papel vincado por lápis 4H, tingido por fraca tinta de aguarela, é alguma coisa, ainda que a legenda diga vermelhão e não passe de avermelhado.
.
O tempo vivível na sala de exposições não obedece aos minutos, tal como a velocidade dos aviões é medida como se a viagem fosse por terra. O espírito quase desencarna e há uma embriaguez de clarividência ou de ocultação.
.
Se puder ter a liberdade da solidão, o vazio é o interior duma grande esfera oca de gravidade zero. Nesse tempo nunca há fraude.
.
O drama e o riso ficam entre mim e as obras e nem o autor o saberá. Acreditará que a frágil coloração esconde o vinco da grafite?
.
Um dia numa sala de exposições, podia ser outro.

Sem comentários: