sábado, janeiro 28, 2017

A esperança

.
Nesses anos havia esperança. Não como a infância.
.
O polegar e o indicador depois de apagarem um fósforo. Contemplando-os num dia ensolarado, numa traseira com quintal e gatos, sem tempo nem momento para o ter, num outro lugar e sem saber de música, que acrescentei depois, por nela em génese, agarrando-se à certeza.
.
A esperança oculta-se depois da vitória e amarga no só.
.
Por isso largar e, se não puder, omitir, basta-me a vergonha de perder.
.
Fica fora da cidade e os gatos passam fantasmas.

Sem comentários: