sexta-feira, dezembro 30, 2016

Depois é

.
À volta tudo é cenário de teatro com cheiro a sal trazido pelo vento livre sem acidentes no caminho vindo donde a vista chega.
.
Insei se oiço se bêbado se sonho se aqui estou porque aqui sou porque sou isto e nisso sou nada, figura de cena na sala vazia quando passa da hora e a madrugada se entrega a Macbeth.
.
Não me terão porque não terei, assim rejeitado vivo como morto há mil anos. Mais de mil tenho passado desde este nascimento. A única luz é a violeta da porta da fugida.
.
É noite o céu é o primeiro espectáculo nele se lendo mentira no futuro. A flanela negra furada das traças faz de e o monólogo sai vago para não ser mudo, que os fantasmas sabem de mim quase tudo.
.
Caindo sem chegada espero. Aí vejo o arco-íris negro. Sempre existe. Quase me esqueci.

Sem comentários: