terça-feira, outubro 18, 2016

O Vórtice de liroá

.
Vinte para as duas, quinze e um quarto, foi depois do meio-dia.
.
O céu estava um lençol de seda, entendia-se-lhe o azul por trás e a luz morna dum dia de meteorologia indiferente. O príncipe jogado de borco numa toalha de linho e sem inexistentes por perto.
.
Todo seu, egoísta e derrubado, desistente das lágrimas e recolhido. Não fosse o tamanho da dor e não seria príncipe.
.
Cristalino apesar da tumulto enganava-se e sabendo-o enganava-se mais e sabendo-o mais ainda. Sabia que as mortes estúpidas não são mais infelizes do que as vidas patéticas.
.
Só não sabia quem lha tirasse ou se a perdesse se já perdida, é-lhe sobejante.
.
Nessa tarde – ali é quase sempre depois do meio-dia – vestia casaca e aprumado no pano branco da soberba não passava dum sapo gordo com um barrote de betão no pensamento.
.
Nessa tarde, entremeando o barafundar, reparou nas mimosas e vendo um melro reparou que se esquecia de ouvir o sítio. Procurou um dente-de-leão para o soprar e assim supor a despedida do engulho.
.
Tudo ali lhe importava porque irrepetível, desse por onde desse e ali tão longe de hora. Rodou-se pesado fora do pano, o verde agarrando-se à casaca amarrotada, viu um espelho, nele se viu, no céu translúcido, contemplando a idade e as feridas.
.
No lodo murmurou que a consciência importa e os remorsos se entregam por telepatia. Sim, a memória desinquietando-o, varrendo-se a preto e branco, na verdade um cinzento pardo e baço, como vento nuclear.
.
Aquele sítio não vê nem ouve nem há canavial para as confidências do Barbeiro de Midas nem alcançam fantasmas. É o jardim do príncipe, tão reais e sós.
.
O jardim, especialmente aquele sítio do jardim, é tranquilo como o cataclismo quando se desiste e se afoga ou se queima ou o sangue se despede.
.
Penso que a tarde ficou fria, ali não se chegam espectros, sentia arrepios. O white tie não esconde vergonhas apenas mostra virtudes e ainda menos sossega o álgido. Tentava consolo protegendo as espaldas e poupando-se à respiração do coração sacrificando-se pelo peso e melancolia.
.
Na falta da inexistência compreendeu o medo de ter coragem, efabulando comboios velozes e imparáveis de comprimidos, porque as balas são-lhe falíveis, porque pistola não tem, por medo de se matar. Que má-língua haveria por falhanço se aquele local inconfidenciasse.
.
Fechou os olhos morrendo-se no anoitecer e nela toda lhe falaram médicos, anjos e extraterrestres e conversou com doentes e miseráveis, parceiros de impaciência e indecisão.
.
Uma noite toda num hospital de campanha vogando centímetros acima da pedra, meditando na descrença dos amigos – nele e nos seus vórtices.
.
Não acertou conversas, recapitulou e concluiu reconhecimentos e dívidas, tristezas, enganos, adiamentos e incompaixão, pensando nas desculpas que tinha de remunerar a quem doloreu.
.
Essa noite foi toda noite.
.
Acordou no mesmo local do jardim e já depois do meio-dia.
.
O príncipe desconhece se se engana nos dias ou se lhos enganam, deduz uma noite, um final, onde tudo será lido e sabido.
.
No jardim, todo, é outro sítio, onde passeia a vida como a obrigação de passear o cão. Trela curta não faça o devido. Quando solta se mantém estagnada e fiel.
.
Desgosta dos silêncios, que incompreende, assim pungentes. Não as tendo, as lágrimas são-lhe inevitáveis.
.
Ali costuma ficar vazado de borco sabendo que quando se nada tem para fazer nada se faz e sem vontade não existe vontade e se falha a vida falta a vida.
.
Sei-o porque sonhei.
.
E para si diz:
.
– Não fui ali nem volto já.

Sem comentários: