quinta-feira, setembro 29, 2016

Todos os dias tento

.
A realidade fica algures, sei-o porque existo numa praça de Chirico, onde a memória é como o vento e a luz, vazia sem sombras, entre o sonho e o desejo. Sou aqui e não saio, mas às vezes vou sem partir, ubíquo e ambíguo, ao sítio dos outros, quando acredito que existem e admito a realidade – um lugar estranho. E não consigo.

Sem comentários: