segunda-feira, julho 25, 2016

Rainha de Espadas e Rei de Copas

.
Lembrava-me sempre à segunda-feira, também mas sempre à segunda. Como se me fosses soprada para te intuir.
.
Se me lembro e tantos dias, a memória do sorriso estranhamente menino.
.
Daquela vez que adolescemos, arrependo-me de não te estremecer os olhos.
.
Vi como deixar de ver tal a água que dá sede. Mais imagino o calor da seda dentro e fora da pele.
.
Nunca quis pressa, só que te abandonasses, flor e eu beija-flor.
.
Mais depressa vejo nave alienígena do que me esquecerei de ti.

Sem comentários: