sexta-feira, julho 15, 2016

Dor de corno

.
Ela fez sexo sem mim. Não lhe perdoo-o e não me perdoo e não lhes perdoo. Juro vingança, elaboro planos – um após outros, anulados por defeitos e riscos. Se o matasse, se fosse capaz, se fosse invisível e silencioso e ubíquo para alibi. A ela não, para que seja minha, embora a perdido.
.
O que fazer às horas, aos dias, semanas, meses, anos? A vida não tem futuro e a luz é-me indiferente. A noite é noite, por vezes bebedeira.
.
De tanto maquinar revanchas, no tempo longo pelo que abstracto e sem medida, esqueci-me dela e nem me lembro quem é ele.

Sem comentários: