sexta-feira, junho 03, 2016

Marçagão

.
Feio. Sou feio. Sou mesmo feio. Mesmo muito feio. Mesmo muito. Mesmo. Mesmo feio.
.
Março, marçagão, de manhã gente e à tarde cão.
.
Olha os olhos. Os olhos de mergulhar, areia movediça dos enganos. À volta está o medo, a rudeza, as rugas, o passado que não se esconde, as lembranças odiosas, as vergonhas de carácter, as canalhices adolescentes, as senvergonhices adultas, as filhadaputices sem perdão, aquela noite em que cheirei e vi que era verdade o que dizia sobre a negritude da branca.
.
Não importa se fora zetário se a consciência era adulta e apenas ensurdeci por facilidade. Porque não importa quando a dor. Não, não foi sem querer nem sem saber. Não importa, sou culpado.
.
Perdoaste? Fizeste mal! Porque sou feio. Bem te disseram, bem lhe disseram que eu – mentirosos, videntes e verdadeiros.
.
A imundice, asquerosidade, vampirismo, vómito e insónias não se escondem nem Basil Hallward me pintou.
.
Antes fosse amoral. Antes inconsciente. Antes amnésico.
.
Mas o mal que não fiz, não fiz! Desse não me posso arrepender nem acusar.
.
Como marçagão, cara de cão.

Sem comentários: