terça-feira, junho 14, 2016

Encadeados

.
Telepaticamente, diante de mim. Está calor e vestes uma camisolita de algodão e mostras pele. Sonhando, Deus ordena à gravidade que te desça uma alça, vislumbro a curva do seio e sustenho o ar: talvez veja o mamilo.
.
Custo a engolir e duvido de mim. Não sei se só desejo ou se pressinto. Não sei se sonho ou perante uma visão. Oiço-te em eco como estando num meio caminho. Acho que suo das mãos e levito.
.
A pele tem o tom da tremura, do desejo impossível, da tarde infinita, do suor e dos beijos. Se nos perdêssemos até exauridos e nos reencontrássemos lado a lado e famintos pelo outro.
.
Prometi mas transgrido, deitarei as cartas de tarot: a grande roda. Alguma magia tem de ser possível. Uma força terá de te acordar para que te deites comigo.
.
Sonhando, um pavilhão aberto com cortinas brancas voando, a conversa de água, os aromas das frutas do Verão, sem horas, sem mundo. À noite, a abóbada é plena de estrelas – o maior espectáculo do mundo!
.
Os olhos encadeados pelos estrelares, por vezes olhando-se. Neles vemos o que fizemos e as promessas. Ao amanhecer, as bocas voltarão ao sexo e antes do dia sentenciar completamente a noite morreremos nos braços.

Sem comentários: