sábado, outubro 03, 2015

Bilhete de ida

.
Nasci doce e manso e por isso cresci fazendo-me estúpido, umas vezes querendo e outras espontâneo. Tantas e tonto verdadeiro, mais triste. Dei-me à lâmina antes que me traíssem.
.
Por causa da mansidão quis-me frio cínico. De tudo fiquei com a essência dos derrotados. Fazendo-me de estúpido não entendi que me percebiam, fiz figura de estúpido, sem mérito.
.
Disfarçando os golpes patéticos, mais do que uma vida aguenta, recriei-me menino, menino-pateta, aparvatando nas fotografias. Se no humor fui sincero, riram-se de mim e não das palavras.
.
Talento, trabalho, esforço, dedicação do pensamento ao sonho e da boca aos dedos, nos traços e nas palavras, para que me restasse na sala de estar dum hospital à espera de vez.
.
Tudo em vês e zês, zumbidos de impaciência e mansidão. Suspiro, levanto-me, sento-me quando há lugar ou despejo moedas para beber água. Numa bola dentro da nave em gravidade zero, ouvindo dentro dum aquário, tenho a ilusão do consolo da inalação de benzina. Era quase isto, esta sala antiga com gente feia enfeitada de verde e carregada duma dor. À espera impaciente e resignado – tudo na vida. O que fazer com ela?
.
Nem corrente nem margem.

Sem comentários: