terça-feira, outubro 20, 2015

A meio do princípio

.
Chovia (não sei) e para dentro umas manchas frias no ladrilho bicolor – preto quase preto e branco quase branco, não por gasto.
.
A professora de matemática disse:
.
– Não gosto de turmas de arte.
.
Não sei se só eu – se lá fora chove pode mais do que chuva.
.
Para dentro da porta as manhãs.
.
Corredores de espectros esperando pelo tempo. Suspiros e cinzento quente e húmido.
.
Dela para fora acontece inumerável.
.
Aquele tempo na turma foi cinzento-chuva – o que tinha ela para me ensinar?
.
A afirmação rompeu e lá fora inumerável.
.
Nessa manhã tanto fez e depois nada para fazer. Pensando ser espectral, desencarnado diante no inumerável.
.
Do deleite à dor, tudo há tudo – todos. A sala de madeira e giz e coisas tão importantes e inúteis.
.
Se a arte era o que via pela janela plasmado numa tela – a professora de matemática.
.
Para mim do incinzento à luz insombreira – negro e branco – prata e ouro – invisível e intangível – ultravioleta e infravermelho – as cores e os seus sons – os vocábulos e suas cores – os corpos, seus suores e alguns desejos – bilhetes para infinitos e o inumerável – do deleite à dor.
.
O que me ensinou – tudo na primeira afirmação. Única e inacabada.
.
Tédio útil apontando o ponto-de-fuga.
.
.
.
Nota: Se alguém souber da autoria desta fotografia, por favor informe-me, de modo a poder atribuir-lhe a autoria.

Sem comentários: