terça-feira, setembro 22, 2015

Cortei-me no lado rombo duma lâmina romba

.
A mágoa mergulha-me e só a mentira salva. Mas se descubro. Lembro-me daqueles dias, daquela felicidade, dias não passavam, noites eternas e madrugadas de caminho.
.
Não é nostalgia, é inveja de quem fui, quem esperava ser, que tinha a certeza que seria e do futuro.
.
Nem Narciso nem Dorian nem Saint Germain nem o astronauta, o tempo era só de ponteiros e tinha uma luz.
.
Um dia, ainda sem compreender a razão, fiquei no ar como um desenho-animado. Ainda sem saber como, entrei num buraco-de-minhoca. Do tempo não sei, se horas, dias, meses ou anos. Numa outra vida, não quero, não sou, mas sou do verbo estar – a confusão de tudo em mim: coração, fígado, pulmões e cérebro.
.
Como chuva no caminho, gelo até aos ossos e um desejo de não ter vontade, de não estar, de não estar do verbo ser. Como que até aos ossos, do perispírito ao espírito, o ânsia de desexistir.
.
Se não visse – outro dia cortei-me no lado rombo duma lâmina romba e oxidada – não teria sangue. Por isso, deverei ter bílis, suco gástrico, suor, cerúmen, muco, saliva, sémen e urina. Se não visse não existia.
.
O meu cérebro é rígido e maciço, incapaz de aceitar. Mas empola-se quando a infecção chega àquele lugar, à antecâmara da alma, por conluio ou desavença medieval das acetilcolina, dopamina, histamina, noradrenalina, serotonina e substância p.
.
Nem vinho nem pão nem carne. Chocolate, gelados e gomas na falta de pistola de comprimidos.
.
Foi mergulho-bomba, alguém empurrou ou caí – não quem esperava ser, que tinha a certeza que seria e do futuro – num buraco-de-minhoca, e agora numa vida errada, onde sou o medo que nunca pensei haver em mim e sentir de mim.

Sem comentários: