digo e o oposto, constantemente volúvel, às vezes verdade. juro pela minha alma, mais do que vinho amo a água e só me desenseda e lava, a cara, o corpo e a vergonha de ser quem não quero. os sonhos antigos são sonhos e antigos e os novos de esperar, é esta a vida a mim agarrada, se esperança existe.

quarta-feira, setembro 09, 2015

Como dizem os americanos

video
.
Voltar ao tempo das rosas, que apareciam espectrais no silêncio da casa da primeira liberdade. O silêncio no quarto dos livros e daquele tapete que nunca mais usei. Tão pequena, a casa, a maior de todas em que vivi.
.
Acreditava no amor perfeito e em canções eternas, que a idade passaria recta sem intercepção. Sem elixir ou magia, com a bênção vertida sobre os eleitos. Tive tardes eternas e pressentimentos do rio.
.
O pai e a mãe, os carcereiros davam-me colo e almoçava para matar as saudades, sem ressentimentos, guardando os segredos.
.
Um dia acordei numa cidade que sabia existir e desconhecia. Um quarto andar como um buraco negro que me sugou lentamente, regurgitando-me e sorvendo-me novamente, num vagar sádico e negrum aterrorizador.
.
Mais alto e lunar, a Torre do Tarot. A selva de pesadelos e incredulidades, onde ogres vigiavam e monstros invisíveis retraçavam o ânimo, a esperança e a luz.
.
Nunca é minha, a casa das escuridões, da doença da desesperança. Nunca a sonhei porque, desligado do corpo, fugia.
.
Abalei com uma mala de amores. Mas pesadelo desse cárcere é-me lembrado e, desligado do corpo, fantasmas arrastam-me e de lá desperto fugindo – aterrorizado e ofegante, acordo confuso. A janela do quarto sossega-me.
.
Amores morridos, canções esquecidas, memórias escondidas e a desilusão pela consciência do mal que fiz e do que desperdicei.
.
Acordei velho e gordo, cansado sem nostalgia. A primeira liberdade fica tão longe.
.
Aqueles anos do buraco negro consumiram-me velozes e esqueço-me para não os lembrar. Sinto que vivi vidas nestes quarenta e cinco anos pesados, insaudáveis e desleixados e desalinhados.
.
Órfão de sorte e salvação. Sem ver destino nem caminho nem desafogo nem luz nem penumbra nem ovni.
.
A bênção dos eleitos não verteu em mim.
.
Um lúzer – como dizem os americanos.

Sem comentários: