domingo, julho 26, 2015

De Istambul a Compostela

.
Até Istambul sobrevoando as estrelas, por cima, por cima, e as constelações e as luzes da cidade, que reluziu ainda de ouro. Por cima, por cima, como o espírito liberto. Por cima do mundo e finalmente voando, e finalmente em recta, fora do peso, fora do redondo. E por cima.
.
Por cima, quembaixo estão as dores das desilusões e só uma chegava. Grito a sorrir e sei que os da liberdade me amam e sem me ouvirem gritam:
.
– Por cima! Por cima!
.
– Por cima! Por cima!
.
 Respondo-lhes como um cometa. Que os da liberdade são e os outros ficam e se deixam.
.
Até Istambul, até ao Cairo. De Santiago a Compostela. De Miami a Cantão. De Belém a Lisboa.
.
Por cima, por cima.
.
– Quem me verá depois?
.
– Diremos, mais uma estrela…
.
Por cima, por cima. E que tão tarde se parte para onde nunca é cedo para se chegar.

Sem comentários: