domingo, julho 26, 2015

A arte e o Soviete Supremo

.
Não, é demasiado bom para não ser naïf – um galicismo, por ter tanto de ternurento e tão pouco de ingénuo – que alcança o patético… Engano!
.
O que ainda se guarda do academismo, patrioteirismo e serventilismo nos confins da antiga União Soviética. Não consegui encontrar o nome do autor, apenas que esteve entre as finalistas para uma exposição de Centro de Belas Artes da República de Basquíria, situado em Ufa.
.
Oportuníssimo, o artista. A obra – não fora pintada a acrílico e ainda estaria em mutação oleosa – mostra ao mundo cinco chefes de Estado no Zen dum amanhã cantor.
.
A querida Dilma Rousseff, a brasileira que desconhece e maltrata a língua portuguesa, sorri como nunca… o som das palavras cínico e cinismo lembra-me russo. Conjecturas infundadas.
.
Narendra Modi e o ar bondoso de todos os chefes indianos. A calma, a serenidade, a bondade e tranquilidade…
.
Um certo racismo na falta de espaço para o sul-africano Jacob Zuma, que sorri mal como numa fotografia de modelo sem fotogenia, acentuado pelo puxar do braço encolhido de Xi Jinping, com o olhar vazio e silencioso dos secretários-gerais do Partido Comunista Chinês.
.
Ao centro, puxando pela China e pelo Brasil, deixando o indiano atrás sem espaço nem jeito para colocar as mãos, o russo Vladimir Putin. À frente, com pose de gelo militar e olhar de sedutor esclarecido.
.
Pombinhas brancas esvoaçam em paz e alegria, dando vida ao compromisso pela fraternidade e o trabalho... um ícone naïf... 
.
O soviético Vladimir Putin. Tudo aqui conta que o gigante euro-asiático tem as feridas quase saradas, não as lambe e lhe apetece afiar as garras.
.
Na Ucrânia, nada de novo.
.
Pode não ser uma obra-prima e obra de arte até pode ser também um exagero, mas conta muita coisa, como as peças dos grandes mestres.
.
.
.
Nota 1: Se alguém conhecer o nome do autor desta obra que fará história, por favor informo-me para lhe atribuir o crédito nas referências.
.
Nota 2: A exposição foi organizada no âmbito da reunião, de 8 e 9 de Julho, dos BRICS (sigla em inglês do grupo do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), em Ufa.

Sem comentários: