segunda-feira, junho 29, 2015

Queres mesmo que te responda?

.
– Há tantas palavras para preto, mas a densidade é tal que conhecemos poucas. Mesmo os olhos são incapazes de abarcar toda a dimensão. Penso que as guardo todas num pantone íntimo.
.
–  E o branco?
.
– O branco é a mesma coisa, mas não interessa nada. O branco não interessa nada!
.
– Por que não?
.
– Porque não o vejo nem sinto nem pressinto, é uma coisa, uma coisa plana sem nada, que pode tudo e não tem nada.
.
– É como a esperança?
.
– A esperança tem uma semente e o branco não tem nada.
.
– E as outras cores?
.
– Só o azul importa, porque é o belo. Fora do azul há o escarlate e o caminho do lilás ao roxo.
.
– As outras cores?...
.
– Importam o mesmo que o branco. Ou lhe são úteis dando algo de si ou misturam-se como cães rafeiros em cópula, numa propagação irrevogável.
.
– Irrevogável?
.
– Sim! O que mais há?... Amarelo, e amarelo é só amarelo. O carmesim tem dois filhos felizes, o escarlate, feito com o azul, e o laranja, arranjado com o amarelo. Ao verde, nem a beleza do azul o salva. Amarelo é amarelo, e tanto faz. Carmesim é carmesim, e tanto faz. Laranja é laranja, e tanto faz. Verde é verde, e tanto faz.
.
– Então, e o castanho?!
.
– Queres mesmo que te responda?

Sem comentários: