terça-feira, junho 23, 2015

«Os caprichos de Goya» nas Caves Calém

.
Umas vezes estou contente e outras triste e para baralhar, ora voo em felicidade ou navego em sentido oposto. Francisco Goya é um daqueles artistas que me dividem. Não tenho uma verdade.
.
Tenho certezas: abomino El Greco e Renoir, adoro… adoro? Adiante. Sou um chato!
.
Goya é um pintor exposto no meu museu mental desde cedo, por via do apreço do meu pai. Na adolescência efervescia-me com a visão dos quadros «Maja vestida» e «Maja nua». Lembro-me de Manuel Jorge e duma professora na Escola Secundária de Gil Vicente, em Lisboa, enaltecerem-lhe a coragem da pintura.
.
Coragem?!
.
A coragem de denunciar os abusos do poder, do castigo da morte… Ou mais difícil, o carácter para não retratar, bem pintadinho e embelezando, quem lhe pagava o trabalho. Fazer isso em paz talvez fosse tão arriscado como em guerra.
.
Se Francisco Goya retratou os Bourbon, que reinavam em Espanha, com toda a fealdade verdadeira, não deixa de ser notável o modo como a família coroada lidou com isso.
.
Tal como Amnófis IV, ou Akenaton, e família se deixaram imortalizar com as suas deficiências corporais. A hidrocefalia, as barrigas desleixadas…
.
Gostando deste artista, da transição entre os séculos XVIII e XIX, ou franzindo o nariz permito-me recomendar a exposição «Os caprichos de Goya», patente até 1 de Novembro, nas Caves da Calém, no Cais de Gaia. Pois bem, não fui, mas sei o que lá há. É como nos concertos: não se conhecem o alinhamento das músicas nem os efeitos de luz, mas sabe-se o reportório e o modo de estar em palco.
.
Como se diz na promoção do «Rock in Rio»:
.
– Eu vou!
.
.
.
.
Nota: Para quem não conheça e duvide da pintura vernácula de Goya, fica o retrato da família de Carlos IV de Espanha.
.



Sem comentários: