terça-feira, maio 12, 2015

Não há horas certas nem horas erradas

.
Não experimentei todas as drogas.
.
Haverá todas as drogas.
.
Não experimentei todas as drogas, nem a maior parte, nem as mais perigosas.
.
Poucas e não gostei.
.
Experimentei todos os remédios para a cabeça.
.
Haverá todos os remédios para a cabeça.
.
Até os mais perigosos e dormi e acordei para onde quis deixar-me adormecer.
.
Passei o dedo de pele finíssima e macia na lâmina dum sabre.
.
O que se faz com um sabre? Nem droga nem remédio nem explosão.
.
Belas e vaidosas, lentamente vendo o derramar até à luz da chegada.
.
Tenho medo das alturas, só temo de morte – o caminho – e fujo aflito como um peixe fora de água.
.
Não experimentei quase nenhuma droga. É estúpido morrer devagar ou morrer por acidente.
.
Os remédios são remédios.
.
As pistolas fazem barulho e as espadas são lentas.

Sem comentários: