terça-feira, abril 28, 2015

O caderno do infotocopiável

.
Faltam palavras nos dicionários e há poucas nos textos, sobretudo nos que têm muitas – quase todos. Escreve-se e escreve-se e escreve-se e escreve-se e escreve-se e escreve-se. Em tanta escritura alguma coisa. Tanta para desistir.
.
Uma selva de palavracídios e frasicídios e portuguecídios e pavões e alguns idiotas e alguns pavões idiotas. Adaga nas costas ou naifa na garganta ou tiro entre os olhos. Quem matou? Foi o pai. Foi a mãe. Foi o irmão. Quem escreveu.
.
Sob o pedestal, grito como se fosse a estátua e alguém ouvisse, numa multidão de mudos numa biblioteca de cegos numa academia de medíocres. Tantas coisas sem pensamento, depois de horas, dias, semanas, meses e anos de.
.
Estou farto das vírgulas e dos pontos de exclamação. Tento escrever o que penso e como penso, por isso..
.
.
.
Nota: Esta imagem foi a primeira aparição no defunto blogue  o-caderno-do-infotocopiável.

Sem comentários: