sexta-feira, abril 24, 2015

Baioneta

.
Se não fosse necessária a morte seria qualquer coisa muito estúpida.
.
De amor e o corpo ficando, qualquer desgosto. A mim não vêem o que vêem.
.
Devagarinho mas só abruptamente.
.
Porque não se quer, salto, estoiro, remédio e. E estupidamente também, de velhice, doença, homicídio e desastre, não importa.
.
Assim, porque sim e ouve-se duma vida além daqui e aqui não ouvem nada. Acredita-se e desmente-se e quer-se acreditar e não se sabe. A dúvida é uma mão mexendo em toda a parte dentro.
.
Morre-se do nascimento à morte, as células renovam-se e os ossos são outros a cada sete anos. O corpo tem uma idade que não a sua, até a matemática se cumprir.
.
Pela janela entra aragem e sai-se. A bala segue a vontade. O remédio de curar serve para curar. E de tudo pode e. Naturalmente não importa e naturalmente não importa.
.
A colher tira de dentro e alimenta à boca. É coração é mente é inteligência é fígado é indecisão é um reboliço lento e imparável. Choca e pára, choca e desfaz-se, choca e ergue-se, choca e prossegue. Tanto faz, naturalmente não importa e naturalmente não importa.
.
Nem céu azul nem luz clara. Abóbada sem estrelas, um caixão entreaberto de boca voltada para o canto num quarto negro sem luz. Silêncio e qualquer coisa de indeciso.
.
Quendera desmaiar, acordar não sabendo onde e ir descarregado até.
.
Quendera o febrão lentíssimo se arrefecesse. Que com certeza fosse concerteza e por que fosse porque.
.
Os outros não importam para que se importem. Chama-se certeza à dúvida para se anteciparem lágrimas. Esqueceram-se, que se lembrem e se esqueçam – hipocrisia.
.
Chorei em vão. Depois.
.
Os outros não importam, os outros não se importam. Quando calo não ouvem, dizendo não ligam, um pranto é histeria, na chuva ensopa-se a paciência, o grito fecha a porta, e um alerta é carência de atenção e chantagem e desvalor.
.
Depois e qualquer coisa e não se importam, não dizem nem abraçam nem ouvem, não atendem o telefone nem ligam, não escrevem carta ou respondem por mensagem, não vão à porta.
.
A mão dentro remexe de pena, remorso e vontade de castigo e vingança. Querendo acreditarm milagre matraquilho-me para convencer-me que se importam. Martelo-me ao desmaio desiludido, só medra a sementeira da ilusão de me bem-quererem.
.
Quase todo o tempo iludo-me, finjindo não reparar na negligência. Para que os tenha silencio o silêncio. No vácuo não se ouve, fora dele também não.
.
Quendera morrer por aí num tanto faz em qualquer lado sozinho deixando o corpo a quem quisesse tocar.
.
Quendera quisessem saber em vez de não fazerem, de dizerem não saber que não sabem o que fazer e por isso nada fazerem nem ouvirem nem dizerem nem atenderem o telefone nem telefonarem nem mandarem escritos nem convidarem nem abrirem a porta nem espreitarem pelo ralo.
.
Às dores da desilusão e do medo e de pronunciar carência e vergonha por se ter dor. Depois ainda.
.
Emparedar-me ou sumir. Um papel como derradeiro pedido de auxílio, nulo porque igual aos inescutados.
.
Quando as portas não se abrem para se entrar, as janelas servem para sair dos inconseguimentos.
.
Leve, levitando em lentidão, que o tempo dentro é desarrumação em movimento perpétuo.
.
Que se importassem, dissessem e ouvissem e ouvissem e abraçassem e ouvissem e atendessem e falassem e recebessem e lessem e respondessem e ouvissem a campainha e abrissem e não fechassem a porta antes de a abrirem.
.
Não tenho nenhuma palavra para escrever com as letras de amigo, talvez dessa certeza não me queiram ter na dor, varrido para baixo do tapete.
.
Esquecimento e até traição, hipocrisia. Cheios pariram-me e deixado enjeitado, como não soubessem quem sou e sabendo que sei quem são.
.
Silencio o silêncio para acreditar que se importam.
.
Gostava de ter a cobardia de ter coragem, a dor ainda não chegou ao destino.
.
Não deixaria nada por dizer – tenho uma carta com todas as verdades, da negligência, da hipocrisia e das traições.
.
Pairando exangue sonho acordado que queiram saber e finalmente.

Sem comentários: