sexta-feira, março 13, 2015

Quando velho

.
Vida inspiração de morte. Frio de sono, linha recta de pensamento visível entre o crânio e o cérebro, saudade das infundadas declarações de amor, paixões instantâneas, sofreguidões e sofreres de adolescência.
.
Quando se descobre que se envelheceu. Não pelo agrisalhamento, pela distância das letras próximas ou retrato do espelho. Vendo os outros e seus brilhos opacos. Consciencializando a vontade de viver adolescente.
.
Velho, quando o desejo é inveja das inconsciências, quando do nojo do feito – corações partidos, coração quebradiço, álcool e infidelidades persistentes.
.
Velho, quando se ouve a música que se ouviu, persistentemente. Quando o cantor celebra sessenta anos, indiferente à sensibilidade do idólatra.
.
Velho, quando se bebe menos e os olhos pestanejam lentos, lentos a desligarem-se num movimento cego. Velho na dor persistente, desvendo os brilhantes, olhos-chamarizes. Velho na adolescência caduca.
.
Velho, quando «Os verdes anos» perfuram o tronco e as mãos dedilhantes apertam as vísceras dos sentires. Quando o choro é seco, quando um homem não chora, chora escondido.
.
Quando se acabaram os casamentos e os encontros são às portas das capelas mortuárias. Quando tanto faz.
.

Quando tanto faz e se esconde a inveja da adolescência – pior do que saudades, quando se ouve a música que se ouvia.

Sem comentários: