sexta-feira, março 13, 2015

Quando depende

.
Quando tanto faz. Quando não tanto faz. Quando depende, sobretudo quando depende. A prisão da sensatez, o castigo da consciência e penitência dos consensos. Vida tola.
.
Quando o vinho nos faz toureiros, não forcados. Quando cantamos mal e sabemo-lo. Quando os filhos vão ao frigorífico e fazem o pequeno-almoço. Quando o gato é velho e o cão dorme.
.
Quando andar à chuva não é ócio. Quando andar à chuva é fuga. Quando na rua a luz da noite não finge um tempo antigo. Quando se deixam de ouvir os passos. Quando se pensa.
.
Quando a televisão é canção de embalar. Quando o sofá é berço. Quando ninguém aconchega a roupa. Quando ninguém diz:
.
– Tem sonhos cor-de-rosa.
.
Quando ter sonhos cor-de-rosa é bom. Quando ter sonhos cor-de-rosa não alveja a heterossexualidade. Quando se tem saudades ao adormecer.
.
Quando o cansaço. Quando a vigília é obrigada. Quando se contam os amigos afastados de anos. Quando num ligeiro sorriso, um ponto e vírgula conta o que se desejou esquecer, um suspiro traz os cruzamentos e os passos enganados.
.
Quando fora do sonho se sabe voar dormindo, o peso do corpo deitado quieto. Quando andar de avião é uma chatice.
.
Quando, sem acne, se pensa na vida. Vida tola.

Sem comentários: