quarta-feira, março 11, 2015

Luz pelas cortinas

.
Fim da espera, fim do que se esperou. O cheiro vai e pendura-se a memória na parede, do que se fez deitado. Nova espera, que não fine a memória do tacto.

Sem comentários: