sexta-feira, dezembro 19, 2014

Desgolpe

.
O coração não é negro, é a minha alma. No fundo do poço, o reflexo dos olhos tristes e do rosto que, se desenhado, se riscou à força de raiva, a esferográfica. Mal se vê, porque a luz, porque a sombra, porque a alma, porque os olhos.
.
Afasto-me nos dias tristes e reparo na fragilidade do meu corpo gordo, de ridículo gordo. Pairando descarnado penso em não voltar e deixar o peso na cama e levar o peso comigo, para que ninguém mais saiba ou veja ou sinta ou pressinta ou escute.
.
Azul de reis e escarlate de cardeais e vivendo num preto e branco de luz e sombra expressionistas.
.
O manto de veludo pesado saciado na sede pelo sangue que a adaga soltou, libertante.
.
Contudo, fico, vou ficando, perduro, prolongo. Vida de tédio e despréstimo. Treme-me a decisão, é golpe adiado. Golpe adiado é sobreviver a golpe mal dado.
.
Se o cão negro lhe jogasse o dente.

Sem comentários: